Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
OPINIÃO / Hoje vou à escola
Dou por mim sentada num pequeno anfiteatro onde eles formam uma mancha multicolor, cor das roupas, cor da pele, uma mancha tranquila de onde se escapam, de quando em vez, os murmúrios dos segredos, um ou outro riso solto, o ruído dos corpos a ajeitarem-se nos assentos, de um saco ou livro que resvala e cai.

Cheira a escola, há memórias que permanecem intactas. Como o passar do tempo marcado pelo toque das campainhas, uns olhares vagamente nostálgicos lançados através das vidraças, lá fora o calor começa a apertar, lá fora...

O convite é de um aluno, o João, e chega por mail sem qualquer formalidade. Convoca-nos para a sua escola secundária em Lisboa, às 08.45 de uma manhã de segunda-feira, para falarmos sobre a eutanásia.

Não se trata de uma iniciativa dos docentes mas sim dos alunos; não requerem os deputados para reclamarem, ou para os ouvirem falar de alhos e bugalhos; têm um tema tratado, pesquisado, equacionaram ideias e dúvidas, juntaram cabeças e vozes: uma enfermeira, uma psicóloga, dois deputados de dois grupos parlamentares e uma dirigente de outra força partidária comparecem à chamada. Querem-nos reunidos em volta de mistérios de vida e morte.

Na actividade política é cada vez mais raro um momento em que se consente a simplicidade extrema - hoje quase sempre vista como candura - que afasta confrontos, relega a ideia de vencidos e vencedores, desaconselha a demagogia, desmistifica estatutos efémeros. Instala-se então uma intimidade previsível, as professoras espalhadas ao acaso pela sala e nós, os de fora, como se fôssemos de dentro.

João, 17 anos, toma conta da ocorrência, apresenta o power-point e explica a "boa morte" ao longo dos séculos, através de culturas e de religiões, de como se matavam as crianças, os doentes incuráveis, os deficientes, os velhos em nome de benefícios que hoje não explicamos nem conhecemos. Ele próprio é um resistente, uma história dura, uma vida a saltar obstáculos para manter a cabeça fora da água que alaga um quotidiano de pedras presas aos pés, que o puxam para o fundo, de onde emerge, uma e outra vez, vitorioso sobre pobreza e a negligência. Agora mesmo, aqui nesta sala de aulas, é ele o protagonista.

Não levo nada preparado e descubro que, se algum de nós o fez, desistiu de imediato. Falamos da vida e da morte naquela manhã luminosa, numa sala onde a média de idades parecia recomendar outra coisa. Falamos da dignidade humana, falamos do encarniçamento terapêutico, falamos dos cuidados paliativos e da urgência em criar a rede, falamos da liberdade de escolha e de que liberdade será essa, falamos do medo e de vencer o medo e se isso é possível, falamos de culturas que descartam os mais vulneráveis, das tentações dos anjos salvadores, dos riscos de uma compaixão mal projectada.

João dá a palavra à enfermeira e à psicóloga, porque sabe que só elas podem convocar os moribundos, os rostos e os nomes daqueles com quem partilharam os percursos de fim de vida, cada caso um caso, apaziguando os medos próprios dos mistérios que tantas vezes se transformam, se sublimam e se vencem no confronto com a realidade.

É tempo de ouvir a realidade, percebê-la no âmago de histórias curtas de homens e mulheres, de velhos, jovens, crianças todos com a morte anunciada. Como reagem, como superam o medo, a revolta, a surpresa? Quem se propõe para a caminhada final, quantos procuram arrumar a vida, quantos se reconciliam consigo mesmo, quantos aceitam e porquê? Quantos ouvem a voz de Deus? O que é, afinal, a compaixão num tempo em que todos afirmamos que ninguém é descartável? Quais os riscos de usurparmos a consciência do "outro" quando ele está mais vulnerável e indefeso?

Está na hora e saio. João oferece-me uma rosa branca e agradece. Não tem de quê. Se houvesse tempo, entre os pavilhões e as buganvílias explicava-te porque razão sou eu, e não tu, quem deve estar grata.

Artigo redigido para o jornal Diário de Notícias, Ed. 3-6-2010

03-06-2010 Partilhar Recomendar
12-12-2019
“As escolas estão em situação de extrema carência de funcionários”
    António Cunha acusou o PS de não estar interessado em resolver este problema.
12-12-2019
Milhares de idosos do distrito de Santarém sem vacina contra a gripe
    PSD exige explicações e a resolução imediata do problema.
11-12-2019
PSD exige que o governo apresente um plano de ação que salvaguarde a sustentabilidade da ADSE
    Duarte Pacheco sublinha que se nada for feito a ADSE entrará em défice em 2020.
10-12-2019
Rui Rio denuncia: “degradação” da escola pública deve-se às políticas socialistas
    O líder do PSD confrontou o Primeiro-Ministro com os dados do PISA.
29-11-2019
Saúde: “os açorianos estão a ser considerados portugueses de segunda”
    António Ventura quer o governo a ajudar os Açores, uma vez que o Governo Regional não consegue resolver os problemas.
29-11-2019
“Em 2018 o SNS teve o pior resultado de sempre”
    Cristóvão Norte afirma ser "uma dor de alma" constatar a degradação do Serviço Nacional de Saúde.
29-11-2019
“Novo Hospital da Madeira: será que é neste Orçamento?”
    Sara Madruga da Costa afirmou esperar que no próximo Orçamento os 50% prometidos pelo Governo estejam devidamente clarificados para que a Madeira possa avançar com o novo Hospital.
29-11-2019
“A construção de um Hospital Central no Algarve tem vindo a ser sucessivamente adiada”
    Rui Cristina acusa os governos socialistas de “faltarem à verdade e ao respeito à população do Algarve”.
29-11-2019
“As famílias da margem sul ficaram privadas de cuidados pediátricos noturnos por causa deste governo”
    Sandra Pereira considera inaceitável o encerramento da urgência Pediátrica do Hospital Garcia de Orta.
28-11-2019
“Não é a Ministra da Saúde que gere o SNS, é o Ministro das Finanças”
    Depois de 4 orçamentos do Estado socialistas que degradaram o SNS, Álvaro Almeida desafiou o Governo a apresentar um orçamento que contribua efetivamente para um melhor SNS.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas