Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Rosário Águas quer conhecer fundamentos para a alteração do Comparador Público das Parcerias Público-Privadas da Saúde
A deputada social-democrata não compreende os motivos que levaram o Estado alterar o “comparador público’ no decurso do procedimento concursal, após conhecimento das propostas dos concorrentes

No texto das perguntas dirigidas ao Ministro de Estado e das Finanças, Rosário Águas esclarece que “um dos pressupostos para o recurso às parcerias público-privadas é o de que este modelo apresente, para o Estado, vantagens económicas e financeiras, relativamente a formas alternativas de alcançar os mesmos fins (cfr. art.º 6.º, n.º 1, al. c) do DL 86/2003, com a redacção dada pelo DL 141/2006”, os quais devem ser avaliados através de um ‘programa alternativo’ previsto no n.º 2 do art.º 19.º da Lei de Enquadramento Orçamental, comummente designado por ‘comparador público’.

A deputada social-democrata relembra que “Governo lançou em 2008, dois concursos para a construção do Hospital Central do Algarve e do Hospital Oriental de Lisboa (Todos-os-Santos) recorrendo a parcerias público-privadas limitadas à prestação de serviços infraestruturais” e que Lei determina que estes “concursos sejam precedidos de uma avaliação prévia que identifique os ganhos esperados para o Estado resultantes da opção por este modelo tomando por alternativa a opção pública tradicional de financiamento e o respectivo Custo Público Comparável.”

No texto das perguntas enviadas ao Ministro de Estado e das Finanças, Rosário Águas diz presumir-se que este “foi o procedimento seguido e que portanto a opção PPP evidenciava vantagens comparativas para o Estado, o que terá levado o Governo a fixar no programa de procedimento para a admissibilidade das propostas os seguintes limites: 377 milhões para o Hospital Oriental de Lisboa e 260 milhões para o Hospital Central do Algarve, correspondendo estes valores ao já aludido CPC (custo público comparável)”

A deputada refere porém que “as propostas apresentadas pelos concorrentes admitidos a concurso excederam largamente o comparador público evidenciando desvios que vão dos 43% aos 75%” conforme quadro infra:

 

H.Algarve

Desvio

H.Oriental

Desvio

Valor do CPC

260

 

377

 

Proposta 1

372

43%

560

49%

Proposta 2

410

58%

611

62%

Proposta 3

 

 

660

75%

Para a deputada, “o resultado deste concurso não deixa dúvidas e significa que o preço a que os privados estão dispostos a assistir ao contrato excede em muito o patamar( CPC) até ao qual o Estado tem vantagem comparativa para optar por uma PPP.” Rosário Águas afirma ainda que “o próprio procedimento de contratação prevê expressamente a exclusão das propostas finais que sejam consideradas inaceitáveis em virtude de não semostrarem suficientemente satisfatórias para os fins do interesse públicoprosseguidos, nomeadamente quando o respectivo valor actual líquido esperado dos pagamentos arealizar pelo Estado, for superior ao Custo Público Comparável”

Estando também afastado o pressuposto que justificou o lançamento da parceria, -a existência de vantagem económico-financeira para o Estado -, a deputada diz que seria expectável que “o Governo decidisse o lançamento de um novo concurso ou, em alternativa, promovesse directamente a construção dos equipamentos sem recurso a parceiros privados”, citando o próprio Secretário de Estado Óscar Gaspar, que afirmou que “em caso algum adjudicaremos a construção do Hospital Central do Algarve acima do comparador público”.

Rosário Águas diz ter tomado conhecimento, “com estranheza”, de que o Governo “teria procedido a uma alteração do CPC do Hospital Oriental de Lisboa dos 377 milhões iniciais para 430,795 milhões”.

A parlamentar social-democrata solicita ao Governo que disponibiliza à Assembleia da República os “Relatórios que justificaram a opção do Estado de recorrer a PPP para o Hospital Central do Algarve e Hospital Oriental de Lisboa de forma a podermos conhecer os pressupostos e as variáveis associadas”, bem como os “Despachos que fixaram o valor dos CPC inicial e actual”.

Rosário Águas quer ainda que o Governo apresente os “ fundamentos legais que permitiram ao Estado alterar o “comparador público’ no decurso do procedimento concursal, após conhecimento das propostas dos concorrentes e também à luz dos princípios da igualdade e da concorrência” e que sejam explicadas “as razões que levam o Ministério das Finanças e da Saúde a optar por uma PPP que à partida e mesmo antes de estar adjudicada já representa um prejuízo de 50 milhões de euros para o Estado”.

31-05-2010 Partilhar Recomendar
12-12-2019
Milhares de idosos do distrito de Santarém sem vacina contra a gripe
    PSD exige explicações e a resolução imediata do problema.
11-12-2019
PSD exige que o governo apresente um plano de ação que salvaguarde a sustentabilidade da ADSE
    Duarte Pacheco sublinha que se nada for feito a ADSE entrará em défice em 2020.
04-12-2019
PSD pede ao Governo e ao PS que “deixem em paz” a poupança dos portugueses
    Álvaro Almeida frisa que “é o bem-estar e o futuro dos portugueses que está em causa”.
29-11-2019
Saúde: “os açorianos estão a ser considerados portugueses de segunda”
    António Ventura quer o governo a ajudar os Açores, uma vez que o Governo Regional não consegue resolver os problemas.
29-11-2019
“Em 2018 o SNS teve o pior resultado de sempre”
    Cristóvão Norte afirma ser "uma dor de alma" constatar a degradação do Serviço Nacional de Saúde.
29-11-2019
“Novo Hospital da Madeira: será que é neste Orçamento?”
    Sara Madruga da Costa afirmou esperar que no próximo Orçamento os 50% prometidos pelo Governo estejam devidamente clarificados para que a Madeira possa avançar com o novo Hospital.
29-11-2019
“A construção de um Hospital Central no Algarve tem vindo a ser sucessivamente adiada”
    Rui Cristina acusa os governos socialistas de “faltarem à verdade e ao respeito à população do Algarve”.
29-11-2019
“As famílias da margem sul ficaram privadas de cuidados pediátricos noturnos por causa deste governo”
    Sandra Pereira considera inaceitável o encerramento da urgência Pediátrica do Hospital Garcia de Orta.
28-11-2019
“Não é a Ministra da Saúde que gere o SNS, é o Ministro das Finanças”
    Depois de 4 orçamentos do Estado socialistas que degradaram o SNS, Álvaro Almeida desafiou o Governo a apresentar um orçamento que contribua efetivamente para um melhor SNS.
28-11-2019
António Maló de Abreu confrontou a Ministra da Saúde com o estado dos serviços de saúde em Coimbra
    O social-democrata disse à governante que não se pode “ignorar o que se passa em Coimbra”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas