Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Tancos: PS procurou branquear o desempenho do ex-Ministro da Defesa Nacional e do Primeiro-Ministro
Berta Cabral refere que o relatório traduz “uma visão incompleta e parcial” do que se passou durante os trabalhos da Comissão de Inquérito.
O Plenário da Assembleia da República apreciou, esta quarta-feira, o Relatório da Comissão Parlamentar de Inquérito sobre as consequências e responsabilidades políticas do furto do material militar ocorrido em Tancos. Em nome do PSD, Berta Cabral frisou que os sociais-democratas estiveram nesta Comissão com o propósito de contribuir, construtivamente, para apurar as responsabilidades políticas numa matéria que pôs em causa a segurança nacional e expos fragilidades dos diversos serviços do Estado que devem garantir essa segurança.
Sublinhando que os sociais-democratas tiveram sempre a preocupação de preservar a imagem e o prestígio da Forças Armadas, uma instituição fundamental para o País, a deputada centrou-se, de seguida, no conteúdo do relatório.
De acordo com a social-democrata, o Relatório Final da Comissão Parlamentar de Inquérito Tancos, aprovado pelo PS e pelos partidos da esquerda, “traduz uma visão incompleta e parcial do que se passou durante os trabalhos desta Comissão de Inquérito. O PS procurou atribuir as culpas ao Exército e à Polícia Judiciária Militar, branqueando o desempenho dos responsáveis políticos, nomeadamente do ex-Ministro da Defesa Nacional e do Primeiro-Ministro António Costa. Ora, para nós, nem o Exército nem a Polícia Judiciária Militar, devem ser postos em causa enquanto instituições, pois não podemos tomar a parte pelo todo nem confundir os erros individuais com o desempenho do coletivo”.
De seguida, Berta Cabral lembrou que o PSD apresentou mais de meia centena de propostas no sentido de melhorar alguns aspetos do Relatório de forma a conforma-lo, o mais possível, com as diversas audições e com a documentação recebida. “Se é verdade que algumas das nossas propostas foram incorporadas, outras há, por sinal as mais relevantes, que acabaram por não ficar no Relatório final, numa manifesta opção política dos Partidos que apoiam o Governo. Para nós, não é possível afirmar com total certeza que não existiram pressões políticas sobre a atuação da PJM e do Exército, muito particularmente sobre o General Rovisco Duarte. Também não podemos pactuar com o facto de o Relatório branquear a atuação do ex-Ministro Azeredo Lopes e do Primeiro-Ministro Antonio Costa, quando proferiram declarações contraditórias sobre como e quando tiveram conhecimento do conteúdo do memorando entregue pelo Diretor da PJM e pelo Major Vasco Brazão ao Chefe Gabinete do MDN, em 20 out de 2017”.
“É, para nós, absolutamente incompreensível que uma Comissão que tinha por objeto encontrar as responsabilidades políticas no furto ocorrido em Tancos, acabe por concluir que as mesmas não existiram quando um Ministro da Defesa e um CEME se demitiram exatamente na sequência desse processo. Se isto não são consequências políticas, são o quê? É o elefante no meio do processo”, remata a parlamentar.
A terminar, Berta Cabral enfatizou que os portugueses esperavam e mereciam que se apurasse, de facto, as responsabilidades políticas do ocorrido em Tancos, “mas com este Relatório subsistem mais dúvidas do que certezas sobre a atuação dos governantes portugueses neste caso.”
03-07-2019 Partilhar Recomendar
02-07-2019
“A prioridade política do mundo ocidental deve apontar para a não proliferação das armas nucleares”
    José Cesário enfatiza que este é o tempo para uma “diplomacia ativa, sensata e realista”.
07-06-2019
Criação do estatuto do antigo combatente “é um verdadeiro dever da Pátria”
    Luís Pedro Pimentel enfatizou que este reconhecimento “deve ser inequívoco e abrangente”.
09-05-2019
Lei de Infraestruturas Militares não prevê mecanismos de transparência
    Pedro Roque deixou algumas críticas à proposta do governo e frisou que o PSD pretende contribuir para que o resultado final seja “mais consentâneo com a real necessidade das missões e do desempenho dos militares”.
09-05-2019
Defesa: cativações de Centeno afetam cumprimento da Lei de Infraestruturas Militares
    O alerta foi deixado por Rui Silva.
11-04-2019
Pedro Roque alerta para efeitos negativos para a instituição militar resultantes de um sistema de avaliação desadequado
    O alerta foi deixado no debate de uma Petição da Associação Nacional de Sargentos.
20-03-2019
Rui Silva: preservação da soberania nacional é intocável
    O deputado alertou ainda para o efeito das cativações no setor da Defesa.
13-03-2019
Com a privatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo a Empordef passou a dar lucro
    Leonel Costa recordou que as receitas da Empordef eram canalizadas para tapar os prejuízos dos Estaleiros.
15-02-2019
Bruno Vitorino contesta morosidade do processo de atribuição de pensões de preço de sangue
    O deputado considera que “é inaceitável e imoral a demora e burocracia associadas a situações tão sensíveis como esta”.
07-02-2019
PSD evoca memória dos membros do Congresso da República Portuguesa mortos na Grande Guerra
    Conceição Bessa Ruão declarou o apoio do PSD à iniciativa que visa consagrar a memória de João Francisco de Sousa, José Afonso Palla e José Botelho de Carvalho Araújo.
23-01-2019
PSD disponível para contribuir para a construção de um consenso alargado nas matérias relativas à Defesa Nacional
    José de Matos Correia afirmou que, contrariamente ao que o PS fez no passado, os sociais-democratas atuarão com coerência e responsabilidade.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas