Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PSD quer redução para metade do valor das portagens e do preço dos comboios no interior
Os sociais-democratas consideram que “é hora de o governo compensar quem tem sido mal tratado”.
O PSD defendeu hoje a redução para metade das portagens nas autoestradas do interior e dos preços dos bilhetes dos comboios regionais e intercidades que não estejam abrangidos pelo Programa de Apoio à Redução do Tarifário dos Transportes Públicos (PART).
Em conferência de imprensa na Assembleia da República, o PSD apresentou um projeto de resolução que visa “compensar” os portugueses que vivem fora das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto e que receberam a grande maioria das verbas do PART como apoio aos descontos nos passes sociais.
“Entendemos que é hora de o Governo compensar quem tem sido mal tratado, é hora e tempo de passar das palavras vãs às boas ações concretas e eficazes, é o momento de diminuir e suavizar desigualdades”, defendeu o Vice-Presidente da bancada Carlos Peixoto, eleito pela Guarda, que esteve acompanhado por deputados de Portalegre, Évora e Castelo Branco.
Num projeto assinado também por deputados de Bragança e Beja, o PSD recomenda ao Governo medidas destinadas à mobilidade das populações que “residam, trabalhem ou se desloquem fora das duas Áreas Metropolitanas do país”, Lisboa e Porto, propondo três medidas.
“Em primeiro lugar, que o Governo compense territórios onde não há transportes públicos dignos desse nome com a redução de 50% nas ex-SCUT (autoestradas sem custos para o utilizador) e outras em idênticas circunstâncias”, defendeu o parlamentar.
Como o objetivo do programa PART é também incentivar a descarbonização, os sociais-democratas aumentam o desconto para 75% no caso dos veículos elétricos.
Questionado se o desconto seria apenas para residentes, Carlos Peixoto explicou que não, até para incentivar os “fluxos turísticos” para estas zonas do país, e considerou que tal não contraria o princípio de utilizador-pagador – sempre defendido pelo PSD – por se tratarem de reduções e não eliminações de portagens.
A segunda medida proposta pelo PSD seria a redução de 50% no preço dos bilhetes dos comboios regionais e intercidades que não estejam abrangidos pelo PART.
Os sociais-democratas recomendam ainda ao Governo que promova, divulgue e incentive e aplicação do regime do “transporte a pedido ou flexível”, sobretudo nas regiões mais desfavorecidas e sem cobertura de rede de transportes públicos, criado em 2016, mas que o PSD entende ser “praticamente desconhecido”.
O PSD explicou que optou por uma resolução por a fixação de portagens ser uma competência exclusiva do Governo, e não se comprometeu com quanto custariam estas medidas.
“O custo da redução das portagens não está totalmente medido, mas há estudos de 2015 que previam que uma redução de 30 a 35% era neutral do ponto de vista orçamental, porque a redução dos preços era simultaneamente acompanhada de incremento do das autoestradas”, disse.
Quanto à redução do preço dos comboios, para o Vice-Presidente da bancada do PSD, “deve ser o Governo com a capacidade que tem, com os elementos que tem, a avaliar o custo da medida e a possibilidade de a implementar” no resto do país, depois de o ter feito nas Áreas Metropolitanas.
Carlos Peixoto começou por afirmou que a redução dos custos dos passes sociais para as Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto “é claramente uma medida positiva”.
“Sendo positiva, não é territorialmente justa nem verdadeiramente nacional (…) As zonas dos territórios de baixa densidade são os parentes pobres, os descamisados e os desvalidos da iniciativa”, afirmou, apontando que nestas regiões, mesmo que haja descontos mínimos, “não há transportes para usufruir”.
Apontando que 70,19% das verbas do PART vão para a Área Metropolitana de Lisboa, 15,27% para a do Porto, Carlos Peixoto salientou que o resto do país “todo somado” fica com apenas 14,53%.
“Ou seja, 4,5 milhões de portugueses recebem cinco vezes mais do que 5,5 milhões de portugueses”, apontou.
Peixoto salientou ainda que “para o país não metropolitano mais afastado do litoral”, o transporte individual é quase a única opção, que tem sido penalizada pelo aumento do preço do combustível.
“Os territórios de baixa densidade devem ser compensados do ponto de vista da mobilidade”, defendeu.

12-04-2019 Partilhar Recomendar
10-04-2019
“Transtejo e a Soflusa registaram 2500 reclamações de passageiros em 2018”
    Carlos Silva lamentou a falta de resposta do governo para os problemas sentidos pelos passageiros.
29-03-2019
Paulo Rios de Oliveira: “medida dos passes sociais é incompleta e não tem equidade”
    O deputado acrescentou ainda que esta é uma medida “insuficiente e iníqua”.
29-03-2019
“PSD acompanha todas as medidas que tenham como objetivos melhorar a mobilidade e o ambiente”
    Paulo Neves recordou que os sociais-democratas têm um passado que comprova essa aposta.
29-03-2019
Liliana Silva alerta para as desigualdades territoriais decorrentes da medida dos passes sociais
    A deputada afirmou que em Viana do Castelo a verba atribuída não vai permitir melhorar a rede de transportes.
29-03-2019
Bruno Coimbra compara a geringonça a “uma retroescavadora”
    O deputado afirmou que a esquerda, enquanto vai subindo impostos, “vai cavando as diferenças entre Lisboa, Porto e o resto do país”.
29-03-2019
“O PSD é a favor de uma forte aposta no serviço público de transporte”
    Virgílio Macedo reiterou que os sociais-democratas apoiam a redução dos custos dos passes sociais como um fator de motivação para o uso destes transportes.
29-03-2019
Passes Sociais: “estamos a favor, mas a medida precisa de muito trabalho para se eliminarem as injustiças”
    Cristóvão Norte lamentou que esta medida não abranja todos os portugueses.
29-03-2019
Passes socias: PSD lamenta que a medida não tenha o objetivo de servir todos da mesma forma
    Emídio Guerreiro desafiou o PS para uma rápida revisão deste processo para que seja dada uma resposta igual a todos os portugueses.
21-03-2019
PSD apresenta proposta para dinamizar o setor do táxi
    Paulo Rios de Oliveira refere que a iniciativa constitui uma mudança do antigo modelo e pretende contribuir para melhorar e inovação o setor.
21-03-2019
Imobilismo dos restantes partidos está a contribuir para o fim do sector do táxi
    No debate da proposta do PSD, Emídio Guerreiro afirmou que sem alterações este setor está condenado.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas