Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Em 2017 o PSD travou uma proposta do PS que representava uma verdadeira borla fiscal à banca”
Inês Domingos recordou que em causa estavam alterações ao tratamento dos ativos por impostos diferidos.
O Parlamento debateu, esta sexta-feira, duas iniciativas do governo que visam a alteração de diversos códigos fiscais. Em nome do PSD, Inês Domingos começou por recordar que os ativos por impostos diferidos surgem porque o atual código de IRC não permite às instituições de crédito de reconhecerem fiscalmente a totalidade das imparidades que registam contabilisticamente. Deste modo, adianta a deputada, a legislação portuguesa obriga a um pagamento de imposto antecipado, que só pode ser recuperado mais tarde. “Sendo o racional por trás desta legislação evitar que as instituições financeiras empolem artificialmente as imparidades para reduzir os lucros, ainda assim, para não penalizar as instituições financeiras face às congéneres europeias, o anterior Governo introduziu um regime equilibrado para esses ativos em 2014”.
De seguida, a parlamentar recordou que, em 2017, o PSD travou em boa hora uma proposta do PS que representava uma verdadeira borla fiscal à banca, através de alterações ao tratamento destes ativos, nomeadamente permitindo que fossem dedutíveis aos lucros num prazo muito mais alargado do que o previsto anteriormente”.
Centrando-se na proposta do executivo, Inês Domingos afirmou que ao PSD parece positivo a perspetiva de eliminar no longo prazo a divergência entre tratamento contabilístico e fiscal que gera estes ativos por impostos diferidos. “Para o PSD este é um bom princípio, mas notamos que é possível implementá-lo apenas agora porque, ao fim de vários anos de alterações na supervisão e nas regras contabilísticas internacionais, temos finalmente estabilidade e segurança nas normas contabilísticas que são aplicadas às imparidades nas instituições financeiras portuguesas.
No entanto, a proposta que o Governo nos traz não deixa de suscitar dúvidas e questões, sobretudo no que diz respeito ao regime aplicável até 2018 e o regime de transição entre 2019 e 2024”. Face a esta realidade, a parlamentar questionou ao governo se fez alguma análise sobre as receitas fiscais entre os regimes que propõe e regimes alternativos nos próximos anos, qual será o impacto nas contas públicas e se analisou se existe equilíbrio de tratamento para os contribuintes entre o stock de ativos por impostos diferidos gerados antes de 2019 e o stock que se formará após 2019.
05-04-2019 Partilhar Recomendar
05-04-2019
“Bloco de Esquerda apoia um governo que já injetou mais de 8 mil milhões de euros nos bancos”
    A acusação foi deixada por António Leitão Amaro no debate sobre alterações aos códigos fiscais.
05-04-2019
Previsibilidade fiscal: mais uma promessa socialista que não foi cumprida
    Cristóvão Crespo refere que, em média, o governo muda a lei a cada 3 ou 4 meses.
15-03-2019
Cativações impediram as entidades reguladoras de efetuar investigações muito importantes
    Para Carlos Silva esta é claramente uma situação lesiva dos interesses do Estado e dos portugueses.
14-03-2019
Para o Bloco a independência do Banco de Portugal só foi efetiva com a presença do Dr. Louçã no Conselho Geral
    Conceição Bessa Ruão criticou a postura dos bloquistas.
13-03-2019
“Governo foge a sete pés da responsabilidade de avaliar a idoneidade de Tomás Correia”
    Adão Silva acusa o executivo de “condescendência” e “cumplicidade”.
07-03-2019
Novo Banco: “queremos conhecer tudo em nome do interesse dos portugueses”
    Adão Silva exigiu explicações a António Costa sobre a “trapalhada” que se revelou a solução encontrada para o Novo Banco.
15-02-2019
Comissão de Inquérito à Caixa: “tudo deve ser apurado, doa a quem doer”
    Duarte Pacheco declarou que o ocorrido na Caixa “é uma verdadeira vergonha”.
06-02-2019
“Aguardar 1000 dias por uma consulta é fortalecer o SNS?”
    No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, Fernando Negrão lamentou que António Costa não “sinta vergonha de ter feito parte do governo que deixou o país em bancarrota”.
30-01-2019
Caixa: “BE, PCP e PS tudo fizeram para que os portugueses não soubessem a verdade”
    Duarte Pacheco frisa que “é tempo de os portugueses saberem a verdade”.
24-01-2019
Entre 2005 e 2010 a Caixa foi “fustigada por uma gestão ruinosa e interferência política”
    António Leitão Amaro acusou governo, PS, BE e PCP de terem tentado “encobrir estas práticas”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas