Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PCP aprovou um Orçamento que não continha as verbas para integrar os precários
Álvaro Batista afirmou não compreender as “juras de amor” do PCP aos precários quando na semana passada os desprezaram.
Uma semana após aprovar o Orçamento do Estado para 2019, o PCP agendou um debate sobre o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários na Administração Pública (PREVPAP). EM nome do PSD, Álvaro Batista começou por afirmar que a pergunta que os trabalhadores precários do estado fazem é esta: “o Orçamento que aprovaram tem dinheiro ou não tem dinheiro para pagar a integração dos precários? É que se não tem, se o dinheiro não chega para pagar as integrações dos precários, então porque é que o aprovaram? Se já sabiam que o dinheiro não chegava – e obviamente que sabiam - então porquê este debate. O PCP acredita mesmo que as pessoas lá foram não pensam ou que têm os olhos tapados?
Porquê hoje as juras de amor do PCP para com todos os precários, se na semana passada os desprezaram quando aprovaram o Orçamento?”
De seguida, o social-democrata recordou que a esmagadora maioria dos precários está hoje a ser paga com verbas dos fundos comunitários. “Sabem depois os precários e sabem todos os funcionários públicos que hoje, no Estado e por causa das cativações sem tino, falta dinheiro para tudo. Há centenas de carros parados por falta de verbas para inspeções ou mudanças de óleo, inspeções que não se realizam porque não há dinheiro para combustíveis, em certos serviços os trabalhadores chegam a ter de comprar resmas de papel do seu bolso para poderem imprimir correspondência e documentos oficiais. A questão que lhe coloco então é esta: como é que o PCP quer fazer para arranjar o dinheiro que ficou a faltar no orçamento para pagar a integração dos precários?”
A terminar, Álvaro Batista sublinhou que existem dois tipos de precários: os antigos, que vieram dos governos anteriores, alguns com perto de 20 anos de trabalho para o Estado e os que foram metidos no Estado já por este governo e pelas esquerdas entre novembro de 2015 e maio do ano passado. Segundo o deputado, “há muitos destes jovens em que a tinta que diz precário ainda tem o cartaz «pintado de fresco» que está a passar à frente dos antigos, às vezes no mesmo ministério, outras vezes em ministérios diferentes. É que os novos conseguem quase todos pareceres favoráveis para entrar no quadro e alguns dos velhos e verdadeiros já não conseguem, pouco mais lhe restando do que aguardar pelo despedimento”.
07-12-2018 Partilhar Recomendar
02-10-2013
CTT: Luís Menezes sustenta que “o serviço público tem de ser garantido de forma escrupulosa”
    O Vice-Presidente da bancada do PSD considera que a privatização vai fortalecer a empresa e o País.
06-10-2011
Francisca Almeida defende que a RTP não pode passar ao lado da austeridade
    A deputada pretende um serviço público com menor sacrifício financeiro para os portugueses.
24-02-2011
PSD preocupado com os atrasos na introdução da Televisão Digital Terrestre
    Carla Rodrigues questionou o Ministro dos Assuntos Parlamentares sobre esta matéria.
23-02-2011
PSD quer extinguir o cargo de director adjunto dos serviços do Instituto da Segurança Social
    Adão Silva afirmou que este cargo está ocupado por “21 boys”.
04-02-2011
PSD quer que o Governo utilize a teleconferência e videoconferência em substituição de reuniões presenciais
    Luís Menezes apresentou a proposta dos social-democratas.
23-06-2010
Sociais-democratas questionam Ministro das Finanças
    O Ministro esteve na Comissão de Trabalho, Segurança Social e Administração Pública e foi questionado sobre as leis laborais, as regras de mobilidade na administração pública, o PRACE, as remunerações certas e permanentes e a execução orçamental.
08-04-2010
“A reforma da administração pública foi um fracasso rotundo”
    Adão Silva criticou o trabalho feito pelo Governo nesta matéria e reafirmou a necessidade de proceder-se a uma reforma séria e adequada
09-02-2010
Reinstalação de serviços públicos na Figueira da Foz levanta dúvidas
    Rosário Águas exige esclarecimentos sobre a concentração dos serviços num único espaço sujeito a arrendamento, quando as duas repartições existentes são propriedade do Estado
Início Anterior
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas