Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
As 104 propostas do PSD visam corrigir os “erros e fraudes gritantes que abundam neste Orçamento”
António Leitão Amaro frisou que sem essas alterações ficamos com um Orçamento com “uma carga fiscal máxima, para serviços públicos mínimos”.
António Leitão Amaro considera que “o governo socialista apresentou um mau Orçamento para o país: traz uma carga fiscal máxima, para serviços públicos mínimos; uma oportunidade perdida, que se basta com uma redistribuição eleitoralista de proveitos conjunturais e desperdiça a conjuntura sem fazer as reformas e a consolidação estruturais que o País tanto precisa; que esquece gritantemente o motor do crescimento económico sustentado, que são as empresas, o investimento e exportações; que na típica falta de seriedade política da governação de António Costa está repleto de promessas passadas que nunca se pretenderam cumprir”.
No início do debate na Especialidade do Orçamento do Estado para 2019, o Vice-Presidente da bancada social-democrata apresentou a visão alternativa do PSD, consubstanciada em 104 propostas de alteração. “Um primeiro grupo de propostas para corrigir os vossos erros e fraudes mais gritantes que abundam neste Orçamento. A carga fiscal máxima, cativações record, ausência de consolidação orçamental efetiva; os embustes do IVA da energia e da cultura, das reformas antecipadas e dos passes que afinal não chegam a todo o País; e as promessas que fizeram sem nunca pretender cumprir, como a redução do Imposto sobre os Combustíveis ou o tempo para os professores”.
Um segundo grupo, refere o deputado, com propostas que mostram um caminho diferente para o País, uma estratégia de crescimento ambicioso e sustentado através de áreas essenciais que foram, ou completamente esquecidas, ou abandonadas à conversa fiada do Governo das esquerdas. “São dezenas de medidas para: estimular as Empresas, Investimento e Exportações; Reforçar a Poupança; Promover a oferta e baixar os custos da Habitação; Puxar pelo Interior; Valorizar a Autonomia Regional; E cuidar da Saúde e da Natalidade”.
Contudo, apesar das 104 propostas do PSD manterem o equilíbrio orçamental, o governo e o PS, “quiçá inseguros com a fraqueza do seu Orçamento”, decidiram optar pelo “delírio e pelo insulto”. “No delírio, quando inventaram custos nas propostas dos outros. Mas essas vossas contas são tão sérias e verdadeiras como a promessa que fizeram aos portugueses da neutralidade do aumento do ISP e como a promessa que fizeram aos professores na contagem do tempo. Essas vossas contas às propostas do PSD são tão verdadeiras como as vossas garantias de que a carga fiscal não aumentava, de que no vosso Governo o investimento público ia aumentar, de que o não sabiam do encobrimento de Tancos, ou de que o Ministro nada prometera a António Domingues”.
Quanto ao insulta, acrescenta Leitão Amaro, ele assenta na acusação de que o PSD é despesista. “Socialistas a atreverem-se a chamar o PSD de despesista. Por favor, hão de passar muitas gerações até que um socialista tenha moral para chamar alguém despesista. Há de passar muito tempo, sobretudo enquanto governarem com tantos dos mesmos que levaram o País à bancarrota”.
A terminar, António Leitão Amaro reiterou que “com as nossas 104 propostas damos-vos oportunidade de dar ao País parte do que os senhores esqueceram, de honrarem um pouco mais a vossa palavra e de tornar o futuro do País um pouco melhor”.

26-11-2018 Partilhar Recomendar
29-11-2018
“Orçamento do Estado tem uma marca essencial: a ilusão”
    Adão Silva lamentou que este seja “um Orçamento de oportunidades perdidas, com mentiras e que não acautela o futuro.”
29-11-2018
Cristóvão Crespo desafia esquerda a aprovar a proposta do PSD para um Regime Contratual de Investimento
    A iniciativa visa fazer com que os investimentos sejam preferencialmente canalizados para o Interior do país.
29-11-2018
“O governo e a maioria de esquerda não acreditam nas Entidades Reguladoras”
    Inês Domingos sublinhou que ao longo desta legislatura esta visão tem-se refletido numa ativa limitação à atividade destas entidades.
29-11-2018
Para a maioria de esquerda é mais importante recolher animais do que os corruptos
    Luís Marques Guedes considera que “as prioridades estão invertidas”.
29-11-2018
É de toda a justiça que os trabalhadores das pedreiras tenham acesso a um regime especial
    Virgílio Macedo frisou que o PSD se orgulha de ter contribuído decisivamente nesse sentido.
28-11-2018
Orçamento para 2019: “os portugueses mereciam melhor”
    Apesar das conquistas alcançadas pelo PSD no debate do Orçamento, Duarte Pacheco sublinha que este continua a ser um mau Orçamento.
28-11-2018
José Carlos Barros contesta falta de investimento para o Algarve
    O deputado colocou em evidência o desfasamento entre o que é anunciado na região e o que está previsto no Orçamento.
28-11-2018
Taxa da proteção civil: PSD não alinha neste saque fiscal
    Emília Cerqueira manifestou a oposição dos sociais-democratas a este imposto “travestido de taxa”.
28-11-2018
Em matéria de energia este Orçamento é “muita parra e pouca uva”
    Emídio Guerreiro refere que apesar da propaganda do governo, “a montanha pariu um rato”.
28-11-2018
Manuais escolares gratuitos: medida não promove a equidade e não promove a igualdade de oportunidades
    Germana Rocha considera que o Estado não pode criar mais injustiças.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas