Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Dívida pública atingiu máximo histórico com este governo
António Leitão Amaro recorda que dois terços dessa dívida foi criada por governos socialistas.
O Plenário assistiu, esta quinta-feira, a um debate solicitado pela Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização administrativa sobre a Avaliação do Endividamento público e externo. Em nome do PSD, António Leitão Amaro começou por recordar que, durante o último ano, esta comissão ouviu muitas personalidades e instituições sobre o sério e estrutural problema da elevadíssima dívida pública que o nosso país tem. Terminadas essas audições, o Vice-Presidente da bancada do PSD concluiu que “Portugal é um país de gente séria que acredita que as dívidas são para pagar. Somos um país de gente inteligente que sabe que quem não as pagas, ou ameaça não pagar, acaba a pagar muito mais”.
Depois de lembrar que a reestruturação da dívida resultaria também num corte nas poupanças dos portugueses, uma vez que 60% da dívida pública é detida por residentes, o deputado enfatizou que no PSD acreditamos que as dívidas são para pagar. “Acreditamos que a dívida pública é sustentável e pagável. Acreditamos que o dever dos governos passa por trabalhar e reformar para reduzir muito mais a dívida que temos e para crescermos muito mais do que hoje”.
Sublinhando que as esquerdas erraram no passado quando defenderam que a solução era estruturar e não pagar e erram agora quando desperdiçam uma conjuntura única para poder crescer muito mais, travar o aumento da dívida e reduzir muito mais o seu rácio no PIB, o parlamentar contrapôs a esta postura a atuação do anterior governo. “O governo anterior provou que sem restruturação da dívida, mas com reformas era possível pôr o país a crescer por 3 anos, o desemprego cair 7 pontos, a desigualdade diminuir, em 2015 o rácio da dívida cair e em março de 2015 os juros da dívida a 10 anos a atingir os 1,7%, quando hoje está nos 2%. Ainda bem que foi a vós que as pernas tremeram. Ainda bem que se calaram com esta conversa, pelo menos o governo, da reestruturação da dívida. E felizmente deitaram fora o relatório do grupo de trabalho entre o PS e o BE, cujas medidas eram tão insensatas que ninguém lhes ligou. Mas se isso foi bom, mau foi que convosco a dívida pública tenha atingido o máximo de 250 mil milhões e euros, sendo que dois terços dessa dívida foi criada por governos socialistas”.
Perante este cenário, António Leitão Amaro rematou a sua intervenção declarando que hoje é visível aos olhos de todos que era possível fazer muito mais.

11-10-2018 Partilhar Recomendar
03-10-2018
António Leitão Amaro: Orçamento vem “com uma aditivação eleitoral”
    O social-democrata assegurou que o PSD apresentará propostas para um caminho alternativo.
21-09-2018
PSD quer impedir as cativações de verbas nas entidades reguladoras
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada por Duarte Pacheco.
22-06-2018
Combustíveis: o governo mentiu aos portugueses
    Paulo Rios de Oliveira afirmou que o governo mentiu e “continua a mentir, pois não corrige esta grave e injusta situação”.
21-06-2018
PSD quer proteger os portugueses da falsidade do governo e do aumento do preço dos combustíveis
    António Leitão Amaro frisou que o PSD quer que seja devolvido o que foi cobrado a mais em ISP.
21-06-2018
Sara Madruga da Costa assinala “hipocrisia, cinismo e oportunismo” do BE
    Em causa “a súbita alteração de posição” dos bloquistas em relação ao ISP.
21-06-2018
Comunistas são cúmplices do aumento dos impostos sobre os combustíveis
    António Ventura recordou que o PCP inviabilizou as iniciativas que pretendiam travar os aumentos.
21-06-2018
PSD defende a redução do Imposto sobre os Produtos Petrolíferos
    Cristóvão Norte recordou que o governo não cumpriu a palavra dada e que a consequência são mais de 1000 milhões de euros a menos no bolso dos portugueses.
15-06-2018
“O ano de 2016 marca o início de um período de ilusionismo político protagonizado pela dupla Costa/Centeno”
    No debate da Conta Geral do Estado 2016, Cristóvão Crespo recordou que “Catarina e Jerónimo foram os partners convenientes e coniventes”.
15-06-2018
Lei de Enquadramento Orçamental: governo pouca ou nenhuma atenção deu a esta matéria
    Duarte Pacheco questionou ao executivo se pretende fugir a um maior controlo orçamental.
24-05-2018
Combustíveis: “são 1350 milhões a mais para o Governo e a menos no bolso dos cidadãos”
    Cristóvão Norte referiu que “este é o retrato fiel da austeridade dissimulada ao serviço de um governo glutão”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas