Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“O retrato dos serviços públicos é o retrato do caos”
Pedro do Ó Ramos afirmou que o governo das esquerdas é o “campeão do desinvestimento público e consequente degradação dos serviços”.
O Grupo Parlamentar do PSD levou a debate, esta quinta-feira, “a qualidade da resposta dos serviços públicos”. Pedro do Ó Ramos, que abriu o debate, começou por referir que a semana que decorre ilustra bem o que vimos hoje aqui denunciar: diminuição clara da qualidade dos serviços públicos. “No dia 1 de outubro, 2ª feira, iniciou-se uma greve dos trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP. Consequência: encerramento de 85% dos locais de venda de bilhetes e afetação da circulação ferroviária, com alterações do percurso dos utentes. Igualmente no dia 1 de outubro, teve início uma nova greve de professores. Consequência: milhares de alunos sem aulas”.
De acordo com o social-democrata, este é o estado dos serviços públicos em Portugal. “É o retrato da sua degradação, sendo enorme a indignação e desmotivação dos funcionários, que veem de dia para dia o colapso dos serviços. Essa degradação é visível e sentida pelos cidadãos nas mais diversas áreas”.
De seguida, o parlamentar percorreu algumas das áreas em que essa degradação é visível. No que respeita à saúde, o deputado lembra que entre meados de 2015 e final de 2017 o número de doentes em lista de espera para cirurgia aumentou mais de 30 mil. “O tempo médio de espera para a realização de uma primeira consulta de especialidade hospitalar passou de 115 dias para 121 dias. A par desta degradação para o utente, o SNS viu a sua dívida aumentar 40% entre dezembro de 2015 e março de 2018. Também os pagamentos em atraso dos hospitais EPE do SNS, registaram uma enorme subida nos últimos dois anos e meio, tendo passado de 451 milhões de euros, em dezembro de 2015, para 705 milhões de euros, em março de 2018”.
No que respeita à área dos transportes, recorda, as reclamações nos transportes públicos aumentaram 38,9% em 2017 e o Programa Ferrovia 2020, apresentado há 2 anos, tem apenas cerca de 15% das obras em marcha.
Na educação, lembra Pedro do Ó, em 2018 estima-se que 80% das escolas tenham carência de funcionários. “A falta de vagas, sobretudo em jardins-de-infância e escolas do 1.º ciclo da rede pública, levou, em 2018, a um aumento exponencial de reclamações, não estando garantida a universalidade do acesso para as crianças de 4 e 5 anos. E, quantos de nós aqui presenciámos à ansiedade de alunos e famílias, no final do ano letivo passado, devido à greve dos professores ao lançamento das notas finais?”
Depois de abordar áreas como a segurança interna, a justiça, a
execução dos fundos comunitários e a economia do mar, sentenciou que a “degradação dos serviços públicos é visível e sentida diariamente pelos cidadãos.
É o próprio Estado que perde dignidade. Deixa, aos olhos dos cidadãos, de ser confiável, de ser justo e de ser prestável”.
Tudo isto, refere o parlamentar, tem origem na “obsessão” do Primeiro-Ministro e Ministério das Finanças em travar e adiar soluções, mas também na clara diminuição do investimento público. “Entre 2015 e 2017 o decréscimo total do Investimento Público foi de 11%, assumindo valores na ordem dos 30% em áreas como a saúde, a segurança interna ou os transportes. Onde está a aposta no investimento público, que António Costa defendia e escrevia na sua moção às primárias do PS em 2014”, questionou.
A terminar, Pedro do Ó Ramos frisou que em três anos de funções “o governo socialista, apoiado pelo Bloco de Esquerda e pelo PCP, pode gabar-se de uma coisa: campeão do desinvestimento público e consequente degradação dos serviços públicos, que desespera e revolta milhões de portugueses. Em três anos de governação socialista, apoiada por bloquista e comunistas, o retrato dos serviços públicos é o retrato do caos. O caos nos transportes públicos, o caos no acesso à saúde, na educação, nas próprias funções de soberania”.

04-10-2018 Partilhar Recomendar
22-02-2018
“Tem que existir uma relação equilibrada de deveres e direitos entre a administração fiscal e os cidadãos”
    No entender de Cristóvão Crespo o rigor e a exigência devem ser exigidos a ambas as partes.
22-02-2018
CTT: Paulo Rios de Oliveira critica irresponsabilidade da esquerda-radical
    O deputado desmontou, ponto a ponto, as mentiras do PCP, BE e PEV.
24-01-2018
Entrega do IRC: “é tempo de o Governo avançar com um novo calendário fiscal”
    Margarida Balseiro Lopes considera que urge essa alteração a bem da estabilidade, previsibilidade e tranquilidade dos contribuintes.
15-12-2017
CTT: Luís Leite Ramos assinala “falta de pudor” dos socialistas
    O deputado sublinhou que “só a falta de vergonha” é que pode levar o PS a acusar o PSD de ter tomado a decisão de privatizar os CTT.
06-12-2017
“Este é um governo sozinho e esgotado”
    Hugo Soares afirmou que em questões estruturais o governo não pode contar com BE e PCP e questionou António Costa sobre o Infarmed e sobre o “flick flack à retaguarda” do PS em relação ao imposto das renováveis.
26-10-2017
Carla Barros considera que o PS devia introduzir uma “lei travão” no BE e no PCP
    A deputada alerta que não há garantias de que os direitos que são atribuídos hoje aos trabalhadores possam ser garantidos no futuro.
26-10-2017
“O PSD sempre se preocupou com os trabalhadores da administração pública”
    Prova disso, adianta Álvaro Batista, é a iniciativa do PSD que estabelece a responsabilidade da entidade patronal pela formação obrigatória dos trabalhadores.
26-04-2017
Passos Coelho acusa o PS de lidar mal com entidades independentes
    O líder do PSD recordou a velha máxima socialista de que “quem se mete com o PS leva”.
23-02-2017
“No último ano assistimos a uma evidente degradação na prestação de serviços públicos”
    Segundo Luís Marques Guedes “degradação” é a palavra de ordem da esquerda na gestão dos serviços públicos.
23-02-2017
Se o governo continuar com estas políticas a sustentabilidade do SNS não estará assegurada
    Luís Vales acusou comunistas e bloquistas de agora não estarem preocupados com os trabalhadores com pagamentos em atraso.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas