Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“A realidade não esconde que esta é uma solução governativa esgotada”
No debate do Estado da Nação, Fernando Negrão frisou que “a natureza desta maioria de esquerda é a do escorpião, não resiste a fazer mal quando pode e promete fazer bem”.
Fernando Negrão afirmou hoje que a atual solução de Governo “está esgotada” e classificou a maioria que apoia o executivo como “demagógica e ilusionista”, recusando que a ‘geringonça’ esteja no coração dos portugueses, como tem afirmado o Primeiro-Ministro.
“Porque estamos em tempo de balanço, só podemos concluir que quem conduz hoje o país é uma maioria que tem tanto de demagógica como de ilusionista, cujo único projeto comum é o desejo de manter as aparências de estabilidade, pois só essa estabilidade lhe garante a manutenção do poder”, acusou o líder parlamentar do PSD, Fernando Negrão, na intervenção de fundo do partido no debate do estado da nação.
Para o social-democrata, a atual solução “nada mais tem para oferecer aos portugueses”, considerando que são cada vez mais evidentes “as grosseiras contradições desta coligação de esquerda, que não hesita em sacrificar o bem-estar comum ao mais elementar instinto de sobrevivência política de cada uma das partes que compõe esta geringonça”.
“Por isso, não se iluda, senhor Primeiro-Ministro: ao contrário do que diz, esta geringonça não está no coração dos portugueses. E sabe porquê? Porque os portugueses não se deixam levar por conversa fiada, por quem diz uma coisa e faz outra, por quem não honra a sua palavra”, acusou o parlamentar.
Na sua intervenção, Negrão defendeu que os atuais resultados económicos positivos foram alcançados, em alguns casos, “apesar do Governo”, sublinhando que beneficiou de uma conjuntura externa favorável e da ‘herança’ deixada pelo anterior executivo PSD/CDS-PP e lamentando que não tenha aproveitado melhor devido à matriz desta solução governativa.
“Nunca foi fazer, mas sim desfazer. A natureza desta maioria de esquerda é a do escorpião, não resiste a fazer mal quando pode e promete fazer bem”, acusou, apontando como factos negativos o crescimento português entre os mais baixos da União Europeia, o desemprego jovem e o aumento da carga fiscal indireta.
Negrão sustentou que “a realidade não esconde que esta é uma solução governativa esgotada”, apontando o descontentamento em classes como as dos professores, dos profissionais de saúde ou o descontentamento dos utentes do Serviço Nacional de Saúde e das populações afetadas pelos incêndios do ano passado.
“Se isto não é um governo esgotado, então o que é?”, questionou, repetidas vezes.
Dedicando uma parte significativa da sua intervenção de mais de 20 minutos com casos de relatos e denúncias do mau funcionamento no SNS, Negrão acusou o Governo de “desamparar e abandonar os portugueses”, depois de ter deixado o setor em situação de "pré-bancarrota" em 2011. “Os portugueses estão cansados de um governo que foge às responsabilidades, que não assume as trapalhadas e que vai de férias quando as respostas não lhe agradam”, criticou.
O líder parlamentar do PSD fez questão de falar no tema da corrupção, "um dos cancros da democracia", considerando que ignorá-lo seria “uma forma infantil e até indigna” de pretender que o problema não existe, embora reconhecendo que “nos últimos tempos têm sido dados passos importantes”.
“Devemo-lo muito a uma imprensa livre que denuncia e dá visibilidade a muitos casos que de outro modo permaneceriam ocultos a coberto das sombras. Mas devemo-lo sobretudo à ação de um Ministério Público autónomo e atuante, relativamente ao qual devemos estar atentos por forma a contribuir para o aperfeiçoamento, reforço e apoio, em cada momento, do trabalho que leva a cabo. Doa a quem doer!”, afirmou.
Fernando Negrão recuperou ainda o caso do roubo de material militar em Tancos, há quase um ano, para apontar que este é um Governo que “não investiga, esconde”, que “não indaga, inventa culpados”, “que não está interessado em apurar a verdade, mas em branquear falhas graves com palavras mansas”.
Na parte final do seu discurso, Negrão explicou qual seria a alternativa do PSD: “Não criamos falsas expectativas aos portugueses, nem prometemos o que sabemos que não podemos cumprir. Também não defendemos que o Estado seja um fim em si mesmo, cada vez mais voraz, que é preciso alimentar”, apontou, elegendo "o valor das pessoas acima de todas as coisas" como o AND do partido. Com o PSD no poder, acredita o líder parlamentar do PSD, teria sido possível, por exemplo, reduzir a dívida pública e avançar na reforma da Segurança Social.
“Vivemos um momento de anestesia nacional, fruto da propaganda do Governo, mas chegará o dia em que se perceberá que esta foi uma oportunidade perdida. Este último ano legislativo não teve nada de ‘saboroso', senhor primeiro-ministro. Este foi um ano especialmente amargo para os portugueses!”, concluiu Fernando Negrão.

13-07-2018 Partilhar Recomendar
08-07-2015
“Os partidos da oposição falharam redondamente todas as suas profecias para Portugal”
    No debate o Estado da Nação, Luís Montenegro elencou as diferenças entre a realidade portuguesa de 2011 e de 2015.
02-07-2014
“Do lado da oposição não vemos nem estabilidade, nem uma alternativa”
    Luís Menezes frisou que só o Governo e esta maioria apresentam soluções de futuro e estabilidade para o país.
02-07-2014
“Vamos continuar a trabalhar para que o Estado da Nação em 2015 seja melhor do que é hoje”
    Feliciano Barreiras Duarte lembrou aos portugueses que foi o PS quem chamou a troika e que foi este Governo quem a mandou embora.
02-07-2014
Portugal conquistou a confiança da Europa
    António Rodrigues saudou o Governo pela sua postura de credibilidade reconhecida pelos parceiros europeus.
02-07-2014
Justiça: este Governo fez mais em três anos do que os Governos dos últimos 20 anos
    Carlos Abreu Amorim realçou a importância da reforma do mapa judiciário.
02-07-2014
Hugo Lopes Soares destaca importância da descentralização das políticas públicas
    O Vice-Presidente da bancada do PSD refere que essa descentralização é de extrema importância para a coesão territorial.
02-07-2014
“A maioria e o Governo estão coesos e virados para o futuro. A oposição está frágil e virada para o passado”
    A declaração foi proferida por Luís Montenegro no debate do Estado da Nação.
12-07-2013
Estado da Nação: “temos feito tudo por Portugal e pelos Portugueses”
    Guilherme Silva assegurou que o PSD não receia “o julgamento da história”.
12-07-2013
Justiça: Fernando Negrão garante que nada será como dantes depois das reformas feitas na justiça
    O deputado elogiou o trabalho feito por Paula Teixeira da Cruz.
12-07-2013
Miguel Frasquilho: “não podemos desperdiçar o que foi feito”
    O social-democrata recordou que começam a surgir os primeiros sinais de recuperação.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas