Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Legislação laboral: finalmente o governo reconhece que muito do que se fez deu resultados e não deve ser demagogicamente revertido
Clara Marques Mendes saudou ainda a mudança de posição dos socialistas em relação à importância da concertação social.
No debate sobre as alterações à legislação laboral, Clara Marques Mendes começou por deixar uma palavra de congratulação ao governo por este, finalmente, estar rendido às virtualidades da concertação social. “Durante anos, o PS desvalorizou e até chegou a desprezar os acordos celebrados com os parceiros sociais. Agora parece ter mudado de ideias e comportamentos o que de resto também sucede noutras áreas”. Aliado a esta mudança de posição, denuncia a deputada, está igualmente uma mudança de discurso. “Antes o discurso era o irresponsável de que havia dinheiro para tudo e para todos. Agora, o discurso mudou. Veja-se o caso do IP3 em que para se fazer uma estrada é preciso cortar nas carreiras dos professores e nos demais funcionários públicos. É o mundo socialista de pernas para o ar”.
De seguida, a parlamentar afirmou que se pelo menos em matéria de concertação social a mudança socialista for a sério e para levar a sério, essa é uma mudança relevante e que nunca é tardia. “Afinal, como sempre dissemos, a concertação social é uma mais-valia para Portugal. Promove o diálogo social, a Paz social, fomenta a confiança económica e social e abre oportunidades de reforma, modernização e desenvolvimento. Ao celebrar o acordo de concertação social que deu origem à Proposta de Lei hoje em análise, o governo fez uma escolha política: disse não às propostas políticas dos seus parceiros do BE e PCP, ou seja, o mesmo governo que começou o seu mandato a fazer reversões, acaba a legislatura recusar novas reversões que lhe são propostas pelos seus Parceiros de coligação. Antes, tudo quanto vinha do anterior governo era apelidado de insensibilidade social, agora finalmente o governo reconhece que muito do que se fez no passado, com coragem e lucidez, valeu a pena, deu resultados e não deve ser demagogicamente revertido ou alterado. É certo que põe os seus aliados mais à esquerda com os nervos em franja. É certo que não estimula a harmonia e bem-estar dentro da geringonça. Mas é um reconhecimento importante para os trabalhadores, para os empregadores e para o país. E o país é sempre mais importante que as maiorias políticas conjunturais que se formam”.
No que respeita à posição do PSD, Clara Marques Mendes referiu que os sociais-democratas consideram que este não era o tempo fazer mudanças, sobretudo mudanças significativas, em matéria laboral. Contudo, aberto o processo legislativo, o caminho deveria ser o da concertação social e nunca o da imposição legislativa.
Congratulando-se com a celebração do acordo de concertação social, a deputada concluiu a sua intervenção manifestando a “grande preocupação” do PSD com a alegada intenção do grupo parlamentar do Partido Socialista para alterar aqui, em sede parlamentar, o que o seu governo subscreveu em sede de entendimento com os parceiros sociais. “Se o PS muda o que o seu governo se comprometeu a fazer em sede de concertação social, nunca mais ninguém levará a sério este governo e o Primeiro-Ministro”, rematou a deputada.
06-07-2018 Partilhar Recomendar
15-03-2019
Esquerda governa para os eleitores e não para os portugueses
    Joana Barata Lopes lamentou que estes partidos governem sem pensar no futuro.
15-03-2019
Clara Marques Mendes coloca em evidência a hipocrisia do PCP
    A deputada lembra que os comunistas, apesar de verem as suas propostas chumbadas pelo PS, continuam a viabilizar os Orçamentos.
15-03-2019
Álvaro Batista: “com o governo das esquerdas 1 em cada 4 trabalhadores são precários”
    O social-democrata referiu-se à consciência pesada das esquerdas que prometeram reduzir a precariedade laboral e fizeram precisamente o contrário.
08-03-2019
PSD defende a criação de um Estatuto do Cuidador Informal
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Helga Correia.
08-03-2019
Cuidadores Informais querem respostas, não falsas ilusões
    Mercês Borges considera que falta vontade ao governo para dar resposta a este problema.
07-03-2019
Novo Banco: “queremos conhecer tudo em nome do interesse dos portugueses”
    Adão Silva exigiu explicações a António Costa sobre a “trapalhada” que se revelou a solução encontrada para o Novo Banco.
21-02-2019
Rui Cruz: “aquilo que foi dado aos portugueses, foi-lhes tirado por mais impostos, taxas, preços e tarifas”
    O deputado considera que “precisamos de um governo que seja capaz de induzir um crescimento económico robusto e continuado”.
21-02-2019
“Com o governo das esquerdas os trabalhadores precários aumentaram de forma explosiva”
    Álvaro Batista acusou a governação das esquerdas de ter falhado o objetivo de reduzir a precariedade.
13-02-2019
Portugal está a caminho de se tornar o quinto país mais pobre da União Europeia
    Joana Barata Lopes enfatizou que o combate à pobreza “é o único caminho que permitirá às pessoas a liberdade efetiva para construírem o seu plano de felicidade”.
13-02-2019
“Políticas públicas atuais têm falhado na redução da pobreza e das desigualdades sociais”
    Clara Marques Mendes frisou que precisamos de uma geração de políticas que promovam a economia, que enfrentem a demografia e que afrontem a pobreza e desigualdades sociais.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas