Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PSD pede ao Governo prioridade para área da sinistralidade rodoviária
Sociais-democratas alertam que em 2017 houve um aumento de 14% no número de mortos no momento do acidente.
O PSD apresentou duas recomendações ao Governo pedindo prioridade para a área da sinistralidade rodoviária, manifestando preocupação com os últimos dados conhecidos.
“O PSD está muito preocupado com a evolução da sinistralidade rodoviária em Portugal. Tínhamos dados de inflexão nos últimos dez anos, mas em 2017 houve um aumento de 14% no número de mortos no momento do acidente”, afirma a deputada Fátima Ramos.
Por outro lado, a deputada alerta que estes dados contrariam a tendência europeia e são confirmados pelos números mais recentes relativos a 2018.
Com o objetivo de contrariar estes dados, o PSD apresentou dois projetos de resolução, um deles recomendando ao Governo que, por um lado, aprove “com caráter de urgência” o Regulamento de Sinalização de Trânsito, que diz estar desfasado do Código da Estrada.
Segundo o PSD, “esta ausência de atualização está a provocar grandes transtornos” e, em 2017, as vítimas de acidentes rodoviários em meios urbanos representaram o triplo das registadas fora das localidades.
Por outro lado, os sociais-democratas pedem ao Governo que incentive a adoção em Portugal, nomeadamente pelas empresas, da norma europeia que certifica o Sistema de Gestão de Segurança do Trânsito Rodoviário (ISO 39001).
De acordo com Fátima Ramos, esta norma que está generalizada em Espanha permite, por exemplo, que as seguradoras atribuam benefícios às empresas que as adotem, uma vez que 25% dos acidentes de trabalho ocorre durante a condução de veículos (quer em situação profissional, quer no percurso de ou para casa).
“É importante que as políticas públicas vão no sentido de motivar as empresas para esta norma”, defende, acrescentando que o próprio Estado, que possui uma grande frota automóvel, deveria “dar o exemplo”.
Esta norma, publicada em outubro de 2012, é uma ferramenta a utilizar pelas instituições governamentais, operadores de frotas de veículos e organizações privadas e públicas que, em todo o mundo, pretendam reduzir o número de mortes e feridos graves devido a acidentes rodoviários.
“Esperamos que estes projetos sejam aprovados na Assembleia da República e espero que o Governo assuma o problema da sinistralidade rodoviária como uma área prioritária que deva merecer maior atenção”, sublinha a deputada social-democrata.
De acordo com o último balanço da Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR), divulgado na terça-feira, o número de acidentes nas estradas portuguesas aumentou nos primeiros cinco meses do ano relativamente ao período homólogo, com um total de 52.728 desastres, que provocaram 182 mortos, segundo os dados oficiais.
Entre 01 de janeiro e 31 de maio deste ano registaram-se mais 2.677 acidentes do que em período homólogo, um aumento que se repetiu nos feridos graves, que cresceram para 15.274 (mais 48).
Já o número de mortos baixou no período homólogo para 182 (menos três) e o de feridos graves caiu para 705 (menos 110).
O balanço da ANSR, que reúne dados da GNR e PSP, indica ainda que só na última semana do mês de maio (entre os dias 22 e 31), morreram nas estradas 18 pessoas e 53 ficaram feridas com gravidade em acidentes.
No espaço de um ano (entre 01 de junho de 2017 e 31 de maio de 2018) o número de mortos nas estradas subiu para 507 (mais 38), enquanto o de feridos graves baixou para 2.088 (menos 70).

11-06-2018 Partilhar Recomendar
16-01-2019
CTT: PSD sublinha importância da fiscalização do contrato de concessão
    Joel Sá afirmou esperar que a ANACOM cumpra o seu papel de Entidade Reguladora.
10-01-2019
Novo aeroporto: “estamos perante 3 anos perdidos”
    Emídio Guerreiro acusou ainda o governo de avançar com a solução do novo aeroporto no Montijo por razões eleitorais.
20-12-2018
“Alteração ao Regime Excecional para a Reabilitação Urbana exige muita ponderação e prudência”
    O alerta foi deixado por António Topa.
12-12-2018
Carlos Silva aconselha Ministro do Planeamento e das Infraestruturas: “pare, escute e olhe”
    O social-democrata apelou ao governante para que “pare com a propaganda, escute os portugueses e olhe para a realidade sem fantasias”.
12-12-2018
Modelo de governação do Ministro do Planeamento e das Infraestruturas resume-se a dois princípios: cativar e prometer
    Paulo Rios de Oliveira ironizou que quando esses princípios falham a resposta é sempre a mesma: “a culpa é do PSD”.
12-12-2018
Pedro Marques é o “ministro da propaganda eleiçoeira”
    Luís Leite Ramos acusou o governante de ser a “voz-off do mega spot eleitoral de um governo faz de conta”.
12-12-2018
Cativações: Infraestruturas de Portugal executou apenas cerca de 50% dos investimentos previstos
    António Topa afirmou que os relatórios confirmam que com este governo o investimento registou uma descida de 22%.
12-12-2018
Infraestruturas Públicas encontram-se em total degradação
    Joel Sá sublinhou que “este é um governo de muita propaganda e pouca obra”.
18-10-2018
Plataformas eletrónicas: PSD contribuiu para a regulamentação do setor
    Paulo Rios de Oliveira assegurou que os sociais-democratas querem dar condições aos taxistas para que estes possam concorrer de igual para igual com as plataformas eletrónicas.
18-10-2018
Carlos Silva alerta para o retrocesso na mobilidade dos cidadãos da margem sul com o fim da concessão da Fertagus
    O deputado reafirmou a rejeição do PSD a uma proposta “cega, partidária e sindicalista” dos comunistas.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas