Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
PSD desafia governo para “largo consenso” em matéria de natalidade
Fernando Negrão considerou este “o maior problema do país” e lamentou o “vazio completo” de ideias por parte do executivo.
Um dia depois do líder do PSD apresentar um pacote de medidas de apoio à natalidade, apelidado “uma política para a infância”, Fernando Negrão lançou ao Primeiro-Ministro o desafio de se pronunciar sobre a proposta social-democrata, apelando a um consenso alargado. Classificando este como “o maior problema do país, pelas incidências que tem em quase todas as áreas de governação do país”, o líder parlamentar do PSD sublinhou que, até ao momento, “tem havido um vazio completo” de políticas do lado do executivo.
Tendo em conta este cenário, o social-democrata desafiou o governante a pronunciar-se sobre medidas do PSD: “428,90 euros a todas as grávidas no sétimo mês de gravidez. Até aos 18 anos, cada criança receberá 10.722,50 euros, sendo que nos primeiros seis de vida da criança o valor anual será de 857,80 euros, sofrendo uma redução a partir dos seis anos para os 428 euros anuais. O alargamento das licenças de maternidade ou paternidade para as 26 semanas. E a gratuitidade de creches e infantários públicos a partir dos seis meses”.
Dirigindo-se a António Costa, Fernando Negrão enfatizou que as propostas “estão todas em aberto”, pois são medidas “que podem ser tomadas ao longo do tempo — não num ano ou dois — e que exigem um largo consenso partidário devido à mudança de governos”.
Depois de lamentar a falta de uma resposta direta do Primeiro-Ministro às propostas do PSD, o deputado centrou a sua participação no debate quinzenal no tema dos professores.
Fernando Negrão lembrou que, no Orçamento do Estado para este ano, foi “aprovada” uma resolução que admite a contagem dos tempos totais desde que as carreiras foram congeladas para efeitos de remuneração. “O ministro da Educação disse tudo e o seu contrário, durante os últimos meses. Disse sim, não, talvez e foi ganhando tempo”. Mas esse tempo “acabou”, disse o deputado, acrescentando a questão: “esta será a primeira classe profissional a ser alvo do abrandamento da economia europeia? É um aviso ao BE e ao PCP?”
Ainda sobre os professores, e contrapondo o argumento do Primeiro-Ministro, Fernando Negrão insistiu: “o que conta aqui é que no âmbito do Orçamento do Estado foi apresentada uma resolução onde se apresentava a contagem do tempo dos professores desde que as carreiras tinham sido congeladas, o que ficava por decidir era apenas as datas em que a verba era disponibilizada.”
A terminar, mas ainda em matéria de Educação, o líder da bancada social-democrata abordou os maus resultados das provas de aferição divulgados esta segunda-feira pelo Instituto de Avaliação Educativa (IAVE). O social-democrata pediu antecipadamente a António Costa que “não fale para trás, comece a falar para a frente que já é tempo” e que dissesse que palavras pode dedicar aos pais das crianças para resolver este problema.
Face à resposta do governante, Fernando Negrão lamentou que o Primeiro-Ministro prefira fazer ataques políticos em vez de dar uma resposta que ajude a resolver o problema dos alunos identificado pelas provas de aferição.

05-06-2018 Partilhar Recomendar
22-02-2019
Amadeu Albergaria: “o governo cativou a educação”
    O deputado lembrou que Portugal tem a maior carga fiscal de sempre, mas as escolas estão à míngua.
22-02-2019
Os portugueses sentem na pele os efeitos do grave desinvestimento no Serviço Público de Educação
    Segundo Germana Rocha os portugueses estão cansados de ver a execução substituída pela cativação.
22-02-2019
“Também na educação esta foi uma legislatura perdida”
    Pedro Pimpão defende que os portugueses precisam de respostas concretas e não de escapatórias, promessas e anúncios.
22-02-2019
“O Investimento em Educação é fundamental para o futuro do país”
    Margarida Mano considera que as consequências da atual governação estão à vista: professores desmotivados, pais revoltados e assistentes operacionais que escasseiam.
21-02-2019
Rui Cruz: “aquilo que foi dado aos portugueses, foi-lhes tirado por mais impostos, taxas, preços e tarifas”
    O deputado considera que “precisamos de um governo que seja capaz de induzir um crescimento económico robusto e continuado”.
21-02-2019
“Com o governo das esquerdas os trabalhadores precários aumentaram de forma explosiva”
    Álvaro Batista acusou a governação das esquerdas de ter falhado o objetivo de reduzir a precariedade.
20-02-2019
“Menos 1.500 milhões de euros em investimento público. É isto o fim da austeridade?”
    No debate da Moção de Censura, Emídio Guerreiro frisou que “os problemas do país resolvem-se cumprindo com o que se promete e não com palavras, anúncios e propaganda”.
13-02-2019
Portugal está a caminho de se tornar o quinto país mais pobre da União Europeia
    Joana Barata Lopes enfatizou que o combate à pobreza “é o único caminho que permitirá às pessoas a liberdade efetiva para construírem o seu plano de felicidade”.
13-02-2019
“Políticas públicas atuais têm falhado na redução da pobreza e das desigualdades sociais”
    Clara Marques Mendes frisou que precisamos de uma geração de políticas que promovam a economia, que enfrentem a demografia e que afrontem a pobreza e desigualdades sociais.
13-02-2019
“Tudo parece brilhante, mas no fundo temos um país pobre e desigual”
    Adão Silva lembrou que, 9 meses antes da bancarrota, José Sócrates também dizia que estávamos no «melhor dos mundos».
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas