Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Combustíveis: “o Bloco é cúmplice deste governo no saque ao bolso das famílias e dos empresários portugueses”
Sara Madruga da Costa sublinhou que o BE, “o partido que tem duas caras”, também tem responsabilidade nesta matéria.
No debate sobre “políticas fiscais e de preços para os combustíveis”, agendado pelo PSD, Sara Madruga da Costa enfatizou que esta discussão “põe a nu e revela uma vez mais a permanente contradição do BE”. “Então o BE aprovou com o governo esta solução de aumento do imposto sobre os produtos petrolíferos em 2016, 2017 e 2018 e ontem a deputada Catarina Martins vem dizer que está na altura de o governo cumprir o prometido e baixar o ISP? Depois desta intervenção do BE podemos concluir que o BE vai aprovar a resolução do PSD? Sim ou não?”
Segundo a parlamentar, os portugueses já perceberam “que o BE diz uma coisa, mas depois pela calada faz outra. É o conhecido oportunismo político de um partido que tem duas caras. O BE é como Janus, o deus da mitologia greco-romana, tem uma cara a olhar para a frente e outra cara a olhar para trás. Quando lhe convém, finge ser oposição, quando não lhe convém fica caladinho, mas continua a manobrar o governo”.
Dirigindo-se à bancada bloquista, Sara Madruga da Costa referiu que o BE bem pode continuar a dizer o que quiser, pois “todos sabemos que o BE é cúmplice deste governo neste saque ao bolso das famílias e dos empresários portugueses. Graças ao BE, os portugueses pagam dos combustíveis mais caros do mundo. A culpa do aumento dos combustíveis é deste governo, mas também é do BE”.
A terminar, Sara Madruga da Costa sublinhou que este é um caminho errado e um caminho injusto porque penaliza todos por igual, sem olhar ao rendimento e às possibilidades de cada uma. “No final do dia, todos pagam o mesmo. Paga o rico, paga o pobre, paga quem ganha muito e paga quem ganha pouco. Só que o impacto em quem ganha pouco é muito superior”.

24-05-2018 Partilhar Recomendar
13-07-2018
Cortes no investimento explicam a falta de resposta dos serviços públicos
    Emídio Guerreiro considera que situações como as que se registam na CP resultam dos cortes no investimento feitos pelo executivo.
12-07-2018
Transportes: PSD apresenta propostas para criar um regime inovador para as plataformas eletrónicas
    Emídio Guerreiro enfatiza que ficam igualmente eliminadas as lacunas identificadas no veto presidencial.
24-05-2018
Governo esvazia os bolsos dos portugueses para encher os cofres do Estado
    Emídio Guerreiro frisou que esta “austeridade encapotada” tem a conivência e o aval dos deputados do PCP, BE, PS e PEV.
24-05-2018
Cristóvão Crespo desafia todos os partidos para a urgência da redução do imposto sobre os produtos petrolíferos
    O deputado referiu que a gasolina 95 é 26 cêntimos mais cara em Portugal do que em Espanha.
24-05-2018
Combustíveis: Carlos Silva acusa o governo de ter “ludibriado os portugueses”
    O social-democrata refere que o governo criou uma “austeridade aditivada”.
23-05-2018
“Incompatibilidade do Ministro Pedro Siza Vieira não tem consequências?” Fernando Negrão exige esclarecimentos “a bem da ética”
    No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, Fernando Negrão questionou ainda António Costa sobre valorização do interior e os problemas no sector da Saúde.
16-05-2018
Luís Campos Ferreira: “governo rege-se pela lógica do poucochinho”
    No debate sobre “Internacionalização da Economia Portuguesa”, o social-democrata enfatizou que “foi assim que lá chegou e é assim que o executivo governa”.
16-05-2018
Economia: governo não resolve os problemas, vive das conjunturas e tenta aproveitar a onda
    Paulo Neves condenou a ausência de uma “estratégia clara e bem definida” por parte do executivo.
16-05-2018
“Ou o Ministro da Economia não conta para a política económica deste governo, ou a economia não conta para este governo”
    Para Luís Leite Ramos só uma destas duas opções explica a ausência do governante no debate sobre a “Internacionalização da Economia Portuguesa”.
16-05-2018
Virgílio Macedo: “poderíamos e deveríamos estar a crescer mais e melhor”
    O social-democrata considera que em vez de um governo pró-ativo, Portugal é governando por um executivo “pró-passivo”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas