Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Governo insiste em teleguiar, a partir da capital, a gestão estratégica e operacional dos fundos comunitários”
Luís Leite Ramos criticou a postura centralista do executivo.
“O PSD trouxe a esta câmara este debate por uma razão muito simples: o governo do PS, PCP e BE apresentou às Comissões de Coordenação e aos gestores dos Programas Operacionais um conjunto de orientações em que ditava, não negociava, exaltamento aquilo que o PSD denunciou e o que 83 autarcas do Região Norte denunciaram”. Foi com estas palavras que Luís Leite Ramos iniciou a sua intervenção, esta sexta-feira, no encerramento do debate, agendado pelo PSD, sobre a reprogramação do Portugal 2020.
Na sua intervenção, o social-democrata destacou a suprema ironia que acompanha todo este processo: “o mesmo governo que prometeu um ambicioso Plano de Descentralização e que quer pôr os presidentes das CCDR a mandar nos fundos comunitários, insiste em teleguiar, a partir da capital, a gestão estratégica e operacional dos fundos comunitários.”
A este propósito, adianta o deputado, este é o mesmo “centralismo e o iluminismo” que marcou no passado a governação socialista em matéria de fundos comunitários, e que ficou bem patente no Programa POLIS e na Parque Escolar. “Foram Programas feitos exatamente da mesma maneira: a partir da capital governaram, implementaram, decidiram, executaram, nas costas do país e dos autarcas”.
De seguida, Leite Ramos admitiu que o PSD sabe qual é, na verdade, a verdadeira intenção do governo: “o que está na origem desta reprogramação é tapar o buraco que existe no Programa Operacional do Capital Humano, feito com o desvio de verbas para despesas correntes na educação e na segurança social, e pagar uma promessa em Lisboa e no Porto relativamente ao metropolitano”.
Para o social-democrata, a postura do governo devia de ser a de compreender qual a melhor forma de reaplicar as verbas disponíveis, com transparência, critérios objetivos e respeito pelas regras europeias e pela coesão territorial. “Se assim fosse, o governo não tentaria desviar verbas dos programas regionais para pagar despesas correntes dos seus ministérios. O governo não faria este verdadeiro assalto ao programa temático da sustentabilidade para pagar as obras dos transportes nas áreas metropolitanas do Porto e Lisboa. Com base em que critérios foram definidas estas prioridades? Que mais alternativas foram avaliadas? Porque é que estes investimentos nos transportes do Porto e Lisboa são mais importantes e mais justos do que os investimentos na mobilidade de cidades como Bragança, Vila Real, Viana do Castelo, Aveiro, Guarda, Viseu, Coimbra, Leiria, Santarém, Setúbal, Évora, Portalegre, Beja ou Faro? É esta coesão, esta justiça e transparência que estamos a discutir”.
A terminar, Luís Leite Ramos frisou que com este debate o PSD “traçou uma linha vermelha na reprogramação do Portugal 2020 que o governo pretende fazer: impedir o desvio de verbas para outros programas e o desvio de verbas de programas temáticos sem critérios, sem transparência e sem avaliação de alternativas. Está nas vossas mãos impedir o governo de ultrapassar esta linha vermelha”, rematou.

20-04-2018 Partilhar Recomendar
25-01-2018
PSD contra a retirada de fundos comunitários das regiões mais pobres para aplicar nas mais ricas
    António Costa Silva criticou o executivo por estar a fazer esta reprogramação “nas costas dos portugueses”.
25-01-2018
Cristóvão Norte lamenta falta transparência em relação ao Portugal 2020
    O deputado pediu esclarecimentos ao Ministro do Planeamento e das Infraestruturas.
25-01-2018
Fundos Comunitário: Joel Sá alerta para os atrasos verificados nos mapeamentos
    O parlamentar avisa que estes atrasos têm colocado em causa a possibilidade da criação, melhoria e expansão de equipamentos sociais, das infraestruturas científicas e tecnológicas e das infraestruturas de acolhimento empresarial.
25-01-2018
“Não podemos andar a vida toda a chutar para o quadro comunitário seguinte o desejo de um país com menos assimetrias”
    Fátima Ramos manifestou a oposição do PSD à retirada de fundos comunitários das regiões mais pobres para aplicar nas regiões mais ricas.
25-01-2018
Portugal 2030: governo português é o que está mais atrasado na preparação deste debate
    Hugo Soares lamentou que o governo ande “a reboque dos acontecimentos”.
19-02-2014
Temos a obrigação de usar os fundos comunitários de forma cuidada e eficiente
    Luís Menezes realçou a importância destas verbas para esbater as assimetrias regionais existentes.
19-02-2014
Fundos comunitários terão enfoque na inovação, no crescimento, no emprego e na inclusão social
    Costa Neves considera que as escolhas do executivo foram acertadas, consequentes, coerentes e corajosas.
19-02-2014
Nuno Matias saúda substituição da lógica da obra pública pelo apoio à competitividade e internacionalização
    O social-democrata salientou a importância desta mudança de paradigma.
19-02-2014
Fundos comunitários são fundamentais para o sector primário
    Pedro do Ó Ramos fala da importância de incorporar valor e de se trazer inovação para este sector.
Início Anterior
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas