Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Bloco não tem a mínima preocupação com a sustentabilidade da Segurança Social nem com os futuros pensionistas”
Mercês Borges condenou a postura do “tudo para alguns já, para os outros logo se verá”.
No debate sobre a revisão do regime de reformas antecipadas por flexibilização para as longas carreiras contributivas, Mercês Borges começou por sublinhar que esta é uma matéria da máxima relevância. No entender da deputada, além de dizer respeito aos que possam vir a beneficiar da flexibilização do regime de reformas antecipadas, esta é uma matéria que diz igualmente respeito aos trabalhadores que, com mais ou menos anos de descontos para a Segurança Social, têm a justa expectativa de virem a receber uma reforma justa e proporcional aos descontos que efetuarem.
De seguida, a parlamentar referiu que com este debate os bloquistas pretendem alcançar dois objetivos claros: “primeiro, encostar o PS à parede e obrigá-lo a votar o projeto de lei que apresenta, independentemente da discussão que o Governo deverá desenvolver em sede de Concertação Social. Segundo, com o aproximar das eleições legislativas, como verdadeiro partido populista que é, o BE, com esta iniciativa, ultrapassa, sem qualquer pudor político, o PS e o PCP, e aparece aos olhos dos trabalhadores que se encontram em condições de aceder à reforma com a alteração proposta como seu grande defensor”.
Criticando a falta de preocupação dos bloquistas com a sustentabilidade da Segurança Social e com os futuros pensionistas, Mercês Borges afirmou que “voltámos ao velho e perigoso lema: tudo para alguns já, para os outros logo se verá”.
No que respeita à posição do PSD, a deputada enfatizou que os sociais-democratas já demonstraram aos portugueses que acima de tudo, rejeita liminarmente o populismo e que coloca os interesses do País e de todos os portugueses em primeiro lugar. “Reconhecemos que muitos trabalhadores iniciaram a sua vida profissional ainda muito jovens e que essa situação deve ser tida em devida conta e valorizada. Tanto mais que, o Sistema da Segurança Social, pela sua complexidade e abrangência, encerra algumas situações de injustiça, que importa corrigir e melhorar”.
“O PSD não quer um Sistema da Segurança Social em que a regra é a exceção que vai surgindo conforme os interesses do momento. Para uns a proximidade das eleições, para outros a necessidade de assegurar a sustentação do Governo. O PSD há muito que defende uma reflexão descomplexada e sem uma pesada carga dogmática e ideológica, sobre a necessidade de se proceder a uma reforma estrutural da Segurança Social, em vez de, conforme os interesses do momento e de forma avulsa, deitarem remendos novos em pano velho”.
Mercês Borges frisou, de seguida, que os portugueses têm tudo a ganhar com uma reforma da Segurança Social que não seja apenas cosmética e pontual, mas que seja uma verdadeira mudança de paradigma. “Uma reforma que dê resposta ao enorme desafio que se coloca à Sociedade Portuguesa com a necessidade de adequar o sistema de pensões à realidade demográfica, económica e financeira, garantindo a sua sustentabilidade financeira e social. Uma reforma que tenha em consideração que vivemos um tempo de profundas e rápidas mudanças. Uma reforma que tenha em consideração os impactos decorrentes dos avanços da digitalização e da robótica. Uma reforma que tenha em consideração a necessidade de garantir a sustentabilidade financeira do Sistema da Segurança Social a longo prazo. Uma reforma que equacione, sem preconceitos e com visão de longo prazo, as fontes de receita da Segurança Social. Uma reforma que tenha em consideração os níveis de penosidade e de desgaste das diferentes profissões e que introduza critérios rigorosos. Uma reforma que envolva a participação dos Parceiros Sociais, do Mundo Académico e Científico e da Sociedade Civil em geral. Uma reforma que tenha regras claras, transparentes e justas, que prevaleçam ao longo de vários anos, para assegurar a confiança dos trabalhadores. Uma reforma que corrija situações de injustiça e de iniquidade que abrangem muitos trabalhadores. Uma reforma que garanta os Princípios e os Valores que são intrínsecos ao Sistema da Segurança Social e que contribuem para a promoção da igualdade, a coesão social e o combate à pobreza e às desigualdades sociais”.
A terminar, Mercês Borges declarou a disponibilidade do PSD para discutir estas matérias. “Mas, com seriedade e sentido de responsabilidade. Garantindo os direitos dos atuais pensionistas sem hipotecar as expectativas e os direitos dos futuros”.

11-04-2018 Partilhar Recomendar
11-04-2018
Governo e os partidos de esquerda estão em estado de gestão de eleições e de eleitorado
    Clara Marques Mendes apelou ao executivo e aos partidos que o suportam para que coloquem os interesses dos portugueses à frente dos seus interesses eleitorais.
11-04-2018
O PS não tem um propósito para o país e deixou-se levar pela esquerda-radical
    Carlos Barros considera que temos “um governo tóxico para o país”.
11-04-2018
Susana Lamas acusa o BE de “encenação e populismo”
    Na base da acusação estão os “exercícios de equilibrismo” dos bloquistas em torno do regime de reformas antecipadas.
14-03-2018
Legislação Laboral: as leis em vigor são boas
    Adão Silva questionou se ainda vamos ver o PCP na rua a gritar: “a luta continua, governo para a rua”.
14-03-2018
Legislação Laboral: Pedro Roque apela ao sentido de responsabilidade do PS
    O social-democrata alertou para os riscos de uma cedência dos socialistas à agenda da esquerda-radical.
14-03-2018
Susana Lamas: PCP insiste em reverter reformas e em permanecer no passado
    A deputada considera que os comunistas pretendem a retoma de legislação laboral que está obsoleta.
14-03-2018
“Governo não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro”
    Mercês Borges lamentou a apatia de um executivo que, além de não dar resposta às necessidades das empresas, deixa pairar a ameaça de uma revisão das leis laborais.
14-03-2018
Sandra Pereira: “o PCP cristalizou-se e parou no tempo”
    A deputada referiu-se à “inquietação” de um partido que defende uma coisa na rua e depois vota ao lado do governo.
07-03-2018
“Temos hoje a precariedade mais elevada dos últimos 15 anos”
    Carla Barros considera que o processo de regularização dos precários na administração pública revela que a esquerda está mais preocupada em proteger o governo que os trabalhadores.
07-03-2018
“É imperioso resolver rapidamente os processos de integração dos verdadeiros precários”
    Álvaro Batista condenou que o problema da precariedade seja usado como agência de emprego para “jovens socialistas”.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas