Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Governo não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro”
Mercês Borges lamentou a apatia de um executivo que, além de não dar resposta às necessidades das empresas, deixa pairar a ameaça de uma revisão das leis laborais.
No debate de iniciativas que visam alterar a Legislação Laboral, Mercês Borges começou por recordar que esta é uma matéria que tem reflexos na vida de todos. De acordo com a deputada “a legislação laboral é relevante para os que pensam e planeiam os seus investimentos e enquadra as obrigações e direitos dos que criam emprego e dos trabalhadores que neles exercem o seu labor e saber. Trata-se, portanto, de uma legislação transversal à atividade do país, determinante para investidores nacionais e estrangeiros acreditarem que Portugal vale a pena”.
Foi nesse sentido, adianta a deputada, que o PSD, com humildade democrática, mas com sentido de Estado e de serviço aos Portugueses, assumiu o trabalho de resgatar o país. “Fiéis aos princípios da concertação social, sempre discutimos os necessários ajustamentos à legislação laboral com os parceiros sociais, que no terreno teriam de os aplicar. Foram feitas alterações à Legislação Laboral, mas com um enorme respeito pela concertação social, onde os Parceiros Sociais, numa altura tão difícil para o nosso País, tiveram a capacidade de obter compromissos equilibrados para os trabalhadores e para os empregadores, assegurando, desse modo, o necessário clima de paz e coesão sociais”.
O resultado dessas reformas em parceira com os Parceiros Sociais, revela Mercês Borges, está à vista, com a economia a recuperar e com ela o emprego. “Lamentavelmente, o atual governo, não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro. Mais, além de tolher o desenvolvimento das empresas com falta de profissionais qualificados, antes, deixa pairar a ameaça de uma revisão laboral que mal se percebe, senão pelo facto de o governo tudo sacrificar para se manter no poder e de estar refém de partidos com uma visão passadista que só sabem protestar e reivindicar. É bem ilustrativo que com esta forma de proceder, o PCP não quer discutir e consensualizar soluções, antes quer a rua e revoluções”.
Perante esta postura dos comunistas, Mercês Borges é perentória em enfatizar que “a paz social pode estar em risco quando alguns partidos decidem alterar o quadro normativo do trabalho sem respeito pela concertação social e pelo Tripartismo representado nesse órgão e quando o Governo, não assume, como devia, o papel de árbitro social”.
Depois de destacar a importância da Concertação Social, a parlamentar referiu que “temos de privilegiar a estabilidade das regras que enquadram o trabalho, embora as tenhamos que ir ajustando, para melhor dar resposta aos desafios de hoje e do futuro. O futuro cumpre-se com trabalhadores e empregadores devidamente qualificados e capazes de responder aos constantes desafios que a evolução científica e tecnológica coloca à economia. Temos que adaptar os «curricula» das escolas e os perfis e conteúdos de formação das entidades formadoras, públicas e privadas, às novas realidades e aproveitar as verbas comunitárias. Temos de tornar acessíveis os princípios da indústria 4.0 e preparar os recursos humanos que dispomos para responder a estes desafios. Temos os melhores trabalhadores e os melhores jovens. Mas temos que os preparar para uma nova realidade”.
A terminar, Mercês Borges frisou que “o PSD defende uma discussão sem sobressaltos, sem atropelos, com reflexão, estudo e transmitindo aos agentes económicos que prezamos o diálogo, a concertação, a estabilidade evolutiva e a preparação de um país melhor, mais justo, próspero e capaz de redistribuir a riqueza com equidade”.

14-03-2018 Partilhar Recomendar
13-05-2019
Cativações e cortes no investimento. “Chama a isto boa gestão das contas públicas?”
    Fernando Negrão acusou António Costa de fazer um “brilharete nas contas” à custa de corte no investimento.
09-05-2019
“Em 2018 havia mais 73 mil precários do que no ano da troika”
    Para Susana Lamas este é o “retrato da incapacidade do governo”.
09-05-2019
Clara Marques Mendes: “Portugal é um dos países com as maiores taxas de precariedade da União Europeia”
    A deputada considera que “o governo falhou”.
02-05-2019
António Costa “foi cúmplice” da chegada do país à bancarrota
    Fernando Negrão afirmou ter vergonha desse governo socialista que levou o país à bancarrota.
26-04-2019
Governo está a atrasar propositadamente o processo de integração dos precários
    Segundo Álvaro Batista isso acontece porque o executivo está a utilizar os fundos comunitários para pagar a estes trabalhadores.
26-04-2019
Carla Barros: nem no tempo da troika havia tantos precários
    A deputada alerta que hoje há mais 73 mil precários do que em 2011.
17-04-2019
PSD desafia todos os partidos para resolver o problema da Segurança Social
    Fernando Negrão frisou que a resolução deste problema não pode continuar a ser adiada.
10-04-2019
Desigualdades salariais entre gestores e demais trabalhadores: governo desrespeitou o prometido
    Clara Marques Mendes assinalou que, também nesta matéria, palavra dada não foi palavra honrada.
05-04-2019
Governo não respeita o compromisso de diálogo e negociação coletiva assinado com os sindicatos
    Carla Barros considera que a “palavra dada” continua sem ser honrada.
15-03-2019
Esquerda governa para os eleitores e não para os portugueses
    Joana Barata Lopes lamentou que estes partidos governem sem pensar no futuro.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas