Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Sandra Pereira: “o PCP cristalizou-se e parou no tempo”
A deputada referiu-se à “inquietação” de um partido que defende uma coisa na rua e depois vota ao lado do governo.
Sandra Pereira considera que o debate sobre a Legislação Laboral, agendado pelo PCP, é um ensaio preparatório dos comunistas para as suas celebrações de Abril e de Maio. Segundo a deputada, “nesta altura do ano o PCP inicia um processo de metamorfose em que de parceiro do Governo passa a porta-voz da CGTP. Primeiro são os cartazes na rua, depois são os debates aqui no Parlamento, depois vem o 25 de Abril e o Dia do Trabalhador com manifestações por todo o país e logo a seguir regressam ao governo e votam ao lado do Governo, contradizendo tudo o que andaram a dizer na rua”.
Dirigindo-se à bancada comunista, a deputada manifestou a sua compreensão relativamente à “inquietação” do PCP. “É a inquietação de quem, ora está a votar Orçamentos ao lado do governo, ora está lá fora com cartazes a exigir a reversão da Lei laboral. É a inquietação de quem é vítima do jogo de faz de conta deste governo. Sempre que a CGTP quer falar mais alto o PCP transforma-se no seu microfone, mas não passa disso porque os senhores não conseguem fazer valer nas negociações aquilo que apregoam na rua”.
De seguida, Sandra Pereira sublinhou que “o PCP cristalizou-se e parou no tempo”. “Continua a dizer a mesma lengalenga há 50 anos, recusando perceber que os mecanismos de segurança no trabalho são outros e recusando perceber que os desafios do mundo do trabalho são novos e são diferentes. A revolução tecnológica, as novas formas de trabalho, os robots inteligentes, tudo está em desenvolvimento no mundo do trabalho. E o que tem o PCP a dizer-nos sobre isto? Nada”, responde a parlamentar.
A terminar, Sandra Pereira questionou à bancada comunista “quando é que o PCP vai ser deixar de ser um partido birra, amadurece e se liberta do protesto”.

14-03-2018 Partilhar Recomendar
13-02-2019
“Tudo parece brilhante, mas no fundo temos um país pobre e desigual”
    Adão Silva lembrou que, 9 meses antes da bancarrota, José Sócrates também dizia que estávamos no «melhor dos mundos».
08-02-2019
Trabalhadores das Pedreiras laboram em condições desgastantes e com enorme custo para a sua saúde
    Luís Vales recordou que foi o PSD que apresentou uma iniciativa para que estes trabalhadores tenham acesso a um regime especial de reforma.
24-01-2019
Álvaro Batista: “a precariedade aumentou significativamente com o governo das esquerdas”
    O deputado referiu que as esquerdas não cumpriram as suas promessas.
17-01-2019
Proposta do PS para limitar a disparidade salarial é o reconhecimento do falhanço do seu governo
    Contudo, Sandra Pereira adiantou que esta matéria merece uma discussão séria e aprofundada, especialmente em sede de concertação social.
19-12-2018
Aprovação do regime especial para os bailarinos só foi possível graças à “não cegueira ideológica do PSD”
    Joana Barata Lopes elogiou o trabalho dos partidos e lamentou que a postura do PSD não seja replicada pela esquerda em outras matérias.
19-12-2018
O reforço da conciliação entre a vida profissional e pessoal é uma preocupação do Grupo Parlamentar do PSD
    Clara Marques Mendes questionou aos comunistas porque votaram contra as propostas do PSD de apoio à natalidade.
05-12-2018
Clara Marques Mendes: PCP e BE insistem em fingir que são oposição
    A deputada lembrou a estes partidos que apoiam o governo e apelou a que “não finjam ser o que não são”.
12-10-2018
“Só com rendimentos dignos é que conseguimos combater as desigualdades sociais, a pobreza e a exclusão social”
    Clara Marques Mendes frisou que o PSD é a favor da atualização do salário mínimo nacional.
12-10-2018
BE e PCP estão reféns de António Costa
    Feliciano Barreiras Duarte considera que esta é a consequência de se venderem as convicções em troca de umas migalhas de poder.
12-10-2018
Joana Barata Lopes desafia o PCP a ser coerente e a votar contra o Orçamento
    Caso tal não aconteça, a deputada conclui que a iniciativa do PCP para aumentar o salário mínimo não passou de uma encenação para os jornais.
Início Anterior Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas