Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Este foi um ano bem penoso para os portugueses e a responsabilidade é sua que é Primeiro-Ministro”
Hugo Soares contrariou António Costa e desafiou-o a pronunciar-se sobre a coerência do governo em assuntos como a associação Raríssimas, os CTT, o Salário Mínimo Nacional e o Montepio.
No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro, num balanço sobre o ano que agora termina, Hugo Soares disse a António Costa que depois de tudo o que passámos “ficou muito claro que este foi um ano bem penoso para os portugueses e a responsabilidade é sua que é Primeiro-Ministro”. Contrariando a opinião do governante, que disse que «este foi um ano saboroso», o social-democrata levou ainda a debate assuntos como a associação Raríssimas, os CTT, Salário Mínimo Nacional ou o Montepio.
No que respeita aos CTT, o líder parlamentar do PSD começou por desafiar o Primeiro-Ministro a dizer, “de uma vez por todas e sem ambiguidades, qual é a posição do governo” em relação aos CTT. “Queria-lhe perguntar se se revê nas palavras da deputada Catarina Martins que diz que os acionistas privados «pilham a empresa e assaltam as suas reservas»? Queria lembrar que a privatização dos CTT estava inscrita no memorando de entendimento que o governo socialista assinou com os credores e quero perguntar se é vontade ou intenção do governo nacionalizar os CTT”, questionou o deputado.
De seguida, o social-democrata abordou várias matérias da alçada/responsabilidade do Ministro Vieira da Silva. No que respeita ao salário mínimo nacional, Hugo Soares lamentou que a concertação social não tenha chegado a um acordo quanto ao aumento do salário mínimo nacional. Dirigindo-se a António Costa, o parlamentar questionou se é verdade ou não que o Primeiro-Ministro, ou alguém do governo, terá dado garantias de que não mexeria na legislação laboral e perguntou qual é o compromisso que o Governo pode assumir sobre aquilo que é a legislação laboral. “Vai ou não reverter a legislação laboral”, indagou.
Tendo ficando sem resposta por parte do socialista, Hugo Soares enfatizou que com esta postura fica claro que “quanto mais se aproxima o final da legislatura e mais fraco está o governo, mais o senhor está na mão PCP e do BE. Agora os acordos que faz na concertação social só duram um ano, porque depende da vontade do PCP e do BE”.
Sobre o caso que envolve a Associação Raríssimas, Hugo Soares começou por acusar Vieira da Silva de ter “ignorado olimpicamente” uma denúncia que chegou aos serviços do Ministério do Trabalho e da Segurança Social em janeiro e lembrou que o Ministro caucionou um protocolo assinado pela Raríssimas, em que se assumia como Fundação e não o era. Contudo, o deputado foi ainda mais longe e lembrou que apesar do código de conduta aprovado pelo governo, Vieira da Silva pertenceu aos órgãos sociais da Raríssimas e tomou medidas sobre a associação já como ministro. “O Ministro violou o código de conduta que o seu Governo aprovou”, questionou o deputado ao Primeiro-Ministro. Perante mais uma pergunta que ficou sem resposta por parte do governante, Hugo Soares declarou que o governo tem “vergonha da resposta”. “Sim, o senhor ministro tomou decisões” e “nos termos do código de conduta” que o Governo fez, o ministro “violou” esse mesmo código, atacou o líder da “bancada laranja”.
A terminar, o social-democrata abordou a participação da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa no Montepio. Hugo Soares destacou que a versão apresentada por António Costa não coincide com a da instituição, pelo que pediu verdade política e defendeu a importância de que este assunto “possa ficar esclarecido”.

20-12-2017 Partilhar Recomendar
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
Hugo Soares questiona António Costa
20-09-2018
Pensões: introduzir equidade no sistema é o mais importante
    Mercês Borges alertou para a importância de se corrigir as injustiças existentes sem que se criem novas.
20-09-2018
Plano Nacional de Investimento: Emídio Guerreiro assinala a “hipocrisia dos socialistas”
    O deputado acusou o governo de procurar disfarçar o insucesso do executivo no que toca ao investimento público.
19-09-2018
O governo tem sacrificado o investimento público para cumprir as metas do déficit
    Virgílio Macedo enfatizou que todos os partidos que apoiam parlamentarmente este governo são cúmplices deste desinvestimento.
19-09-2018
Carlos Silva: os portugueses estão fartos da propaganda do governo
    O social-democrata considera que o executivo vai ficar conhecido “como o governo do agora é que é”.
19-09-2018
Com as esquerdas no governo Portugal registou o mais baixo investimento público dos últimos 20 anos
    Joel Sá considera que estamos perante “3 anos perdidos”.
18-07-2018
Pessoas em situação de sem-abrigo: PSD defende a adoção de uma estratégia nacional
    Ana Oliveira afirmou que os sociais-democratas defendem uma estratégia assente em objetivos e avaliações reais.
13-07-2018
Cortes no investimento explicam a falta de resposta dos serviços públicos
    Emídio Guerreiro considera que situações como as que se registam na CP resultam dos cortes no investimento feitos pelo executivo.
12-07-2018
Transportes: PSD apresenta propostas para criar um regime inovador para as plataformas eletrónicas
    Emídio Guerreiro enfatiza que ficam igualmente eliminadas as lacunas identificadas no veto presidencial.
06-07-2018
Legislação laboral: finalmente o governo reconhece que muito do que se fez deu resultados e não deve ser demagogicamente revertido
    Clara Marques Mendes saudou ainda a mudança de posição dos socialistas em relação à importância da concertação social.
06-07-2018
Geringonça: “acabaram os tempos festivaleiros das reversões e agora é tempo dos encontrões”
    Adão Silva alertou ainda para a “traição” que o PS se prepara para fazer ao que foi acordado em concertação social.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas