Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Este é um governo sozinho e esgotado”
Hugo Soares afirmou que em questões estruturais o governo não pode contar com BE e PCP e questionou António Costa sobre o Infarmed e sobre o “flick flack à retaguarda” do PS em relação ao imposto das renováveis.
No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro sobre “Coesão Social e Redução das Desigualdades”, Hugo Soares confrontou António Costa com o mais recente estudo publicado sobre a forma como Portugal lidou com as desigualdades sociais no período mais difícil da crise. Segundo esse estudo, refere o líder parlamentar do PSD, «Portugal era um país com muito maiores desigualdades antes da crise e, tendo sido obrigado a apertar o cinto, conseguiu fazê-lo protegendo os elementos mais vulneráveis da sociedade». Quer isto dizer, adianta o deputado, que desde 2014 que a desigualdade na distribuição de rendimentos e a taxa de intensidade da pobreza vinham a diminuir. Frisando que neste aspeto o PSD “não leva lições de ninguém”, Hugo Soares afirmou que combater as desigualdades é também criar condições nos serviços públicos para que os portugueses possam aceder e ter neles aquilo que esperam. Nesse âmbito, o social-democrata questionou ao Primeiro-Ministro se tem “estado alerta” para as chamadas de atenção relativamente ao surto da gripe e se os portugueses podem estar descansados relativamente à preparação deste período mais difícil.
Outro dos temas levado a debate por Hugo Soares foi a transferência do Infarmed para o Porto. Lembrando o anúncio que foi feito pelo Ministro da Saúde e um conjunto de declarações do governo que diziam “tudo e o seu contrário”, o deputado perguntou diretamente a António Costa se estamos perante uma intenção ou se se trata de uma decisão política de transferir o Infarmed para o Porto. “A leviandade e ligeireza desta tomada de decisão é um ultraje para as gentes do Norte e para as gentes do Porto. Quando se fala em desconcentração de serviços, em descentralização, estas matérias deviam ser pensadas e estudadas. E o senhor Primeiro-Ministro tem dado provas de que não faz uma coisa nem outra”, sublinhou.
Depois de acusar António Costa de não ter pensado esta matéria, o líder da “bancada laranja” confrontou o governante com a decisão da esquerda de chumbar a proposta do PSD de isenção de IMI para as habitações que arderam nos incêndios deste ano. “Queria-lhe propor um exercício. O senhor Primeiro-Ministro mora em Pedrógão Grande. A sua casa ardeu porque o Estado falhou e o mesmo Estado vai-lhe continuar a cobrar impostos por uma casa que já não tem. E eu queria-lhe perguntar se é justo ou injusto aquilo que os senhores aqui fizeram?”
A terminar, Hugo Soares abordou a “cambalhota” dos socialistas que alteraram a sua votação de sexta para segunda-feira, naquilo a que já ficou conhecido como o imposto sobre as energias eólicas. Questionando qual a razão que levou António Costa a ordenar à bancada socialista para que fizesse um “flick flack à retaguarda” e mudasse o seu sentido de voto, o parlamentar lamentou que o respeito pelos compromissos assumidos pelo Estado surja apenas como uma desculpa do governo neste caso e não como uma posição coerente do executivo. “A verdade é que nessa como em outras questões estruturais que são essenciais para o crescimento da economia, para a confiança dos investidores no nosso país, questões estruturais para o nosso futuro coletivo, este é um governo sozinho e esgotado. Essa é a questão que importa ficar: para aquilo que o senhor Primeiro-Ministro considera estrutural já não tem nem o apoio do BE, nem o apoio do PCP”, rematou.

06-12-2017 Partilhar Recomendar
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
07-12-2018
Governo continua a contratar trabalhadores com vínculos precários
    Clara Marques Mendes acusou o governo de continuar a aumentar a precariedade no Estado.
07-12-2018
Deputados do PSD eleitos pela Madeira protestam contra a dedução dos Hospitais Dr. Nélio Mendonça e Marmeleiros pelo governo no financiamento do novo Hospital
    Sara Madruga da Costa, Rubina Berardo e Paulo Neves exigiram ainda a concretização do compromisso de pagamento de 50% da obra de construção do novo Hospital.
07-12-2018
“Para a esquerda tudo se resume a tentar ganhar mais uns votos”
    Álvaro Batista criticou a “hipocrisia política” dos partidos que adiam para a véspera das eleições a resolução dos problemas dos precários do Estado.
07-12-2018
Precários do Estado: PS, PCP e BE falharam e faltaram à verdade a estes trabalhadores
    Carla Barros lamentou o “tacticismo” e a “encenação” dos partidos da esquerda em torno do PREVPAP.
07-12-2018
PCP aprovou um Orçamento que não continha as verbas para integrar os precários
    Álvaro Batista afirmou não compreender as “juras de amor” do PCP aos precários quando na semana passada os desprezaram.
28-11-2018
Ala Pediátrica do Hospital São João: socialistas continuam a falhar as suas sucessivas promessas
    Ricardo Baptista Leite considera que é incompreensível o que se passa e defendeu a realização imediata da obra.
27-11-2018
“O investimento do governo no SNS é dos mais baixos de que há memória”
    Ricardo Baptista Leite frisa que as consequências desse desinvestimento só não são vistas por quem fecha os olhos em nome das “conveniências partidárias”.
26-11-2018
Saúde: governo das esquerdas aumentou o recurso às prestações de serviços
    Luís Vales apresentou a proposta do PSD que visa reduzir em 35% os encargos com estas prestações.
30-10-2018
Ricardo Baptista Leite: “a Saúde não é prioridade para este governo”
    O deputado alertou que são os doentes que pagam a conta da má governação socialista.
24-10-2018
Proibição da prescrição de medicamentos como o Ritalina “merece uma ponderação muito séria”
    Luís Vales considera que o Parlamento não deve legislar sem ouvir as entidades com competências na matéria.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas