Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Este é um governo sozinho e esgotado”
Hugo Soares afirmou que em questões estruturais o governo não pode contar com BE e PCP e questionou António Costa sobre o Infarmed e sobre o “flick flack à retaguarda” do PS em relação ao imposto das renováveis.
No debate quinzenal com o Primeiro-Ministro sobre “Coesão Social e Redução das Desigualdades”, Hugo Soares confrontou António Costa com o mais recente estudo publicado sobre a forma como Portugal lidou com as desigualdades sociais no período mais difícil da crise. Segundo esse estudo, refere o líder parlamentar do PSD, «Portugal era um país com muito maiores desigualdades antes da crise e, tendo sido obrigado a apertar o cinto, conseguiu fazê-lo protegendo os elementos mais vulneráveis da sociedade». Quer isto dizer, adianta o deputado, que desde 2014 que a desigualdade na distribuição de rendimentos e a taxa de intensidade da pobreza vinham a diminuir. Frisando que neste aspeto o PSD “não leva lições de ninguém”, Hugo Soares afirmou que combater as desigualdades é também criar condições nos serviços públicos para que os portugueses possam aceder e ter neles aquilo que esperam. Nesse âmbito, o social-democrata questionou ao Primeiro-Ministro se tem “estado alerta” para as chamadas de atenção relativamente ao surto da gripe e se os portugueses podem estar descansados relativamente à preparação deste período mais difícil.
Outro dos temas levado a debate por Hugo Soares foi a transferência do Infarmed para o Porto. Lembrando o anúncio que foi feito pelo Ministro da Saúde e um conjunto de declarações do governo que diziam “tudo e o seu contrário”, o deputado perguntou diretamente a António Costa se estamos perante uma intenção ou se se trata de uma decisão política de transferir o Infarmed para o Porto. “A leviandade e ligeireza desta tomada de decisão é um ultraje para as gentes do Norte e para as gentes do Porto. Quando se fala em desconcentração de serviços, em descentralização, estas matérias deviam ser pensadas e estudadas. E o senhor Primeiro-Ministro tem dado provas de que não faz uma coisa nem outra”, sublinhou.
Depois de acusar António Costa de não ter pensado esta matéria, o líder da “bancada laranja” confrontou o governante com a decisão da esquerda de chumbar a proposta do PSD de isenção de IMI para as habitações que arderam nos incêndios deste ano. “Queria-lhe propor um exercício. O senhor Primeiro-Ministro mora em Pedrógão Grande. A sua casa ardeu porque o Estado falhou e o mesmo Estado vai-lhe continuar a cobrar impostos por uma casa que já não tem. E eu queria-lhe perguntar se é justo ou injusto aquilo que os senhores aqui fizeram?”
A terminar, Hugo Soares abordou a “cambalhota” dos socialistas que alteraram a sua votação de sexta para segunda-feira, naquilo a que já ficou conhecido como o imposto sobre as energias eólicas. Questionando qual a razão que levou António Costa a ordenar à bancada socialista para que fizesse um “flick flack à retaguarda” e mudasse o seu sentido de voto, o parlamentar lamentou que o respeito pelos compromissos assumidos pelo Estado surja apenas como uma desculpa do governo neste caso e não como uma posição coerente do executivo. “A verdade é que nessa como em outras questões estruturais que são essenciais para o crescimento da economia, para a confiança dos investidores no nosso país, questões estruturais para o nosso futuro coletivo, este é um governo sozinho e esgotado. Essa é a questão que importa ficar: para aquilo que o senhor Primeiro-Ministro considera estrutural já não tem nem o apoio do BE, nem o apoio do PCP”, rematou.

06-12-2017 Partilhar Recomendar
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
Hugo Soares questiona o Primeiro-Ministro
29-11-2017
Nuno Serra acusa a esquerda de não valorizar os territórios de baixa densidade populacional
    O deputado apelou à implementação de reformas que criem condições para atrair mais população e empresas para estas regiões.
29-11-2017
Maurício Marques apela ao governo para que “pare, escute e olhe”
    Em causa a atuação do executivo em relação aos incêndios e às propostas do PSD que teima em rejeitar.
29-11-2017
Incêndios: “alguém acha razoável o Estado ir cobrar impostos às pessoas que perderam as suas casas?”
    Margarida Balseiro Lopes criticou a esquerda por ter chumbado a proposta do PSD de isenção de IMI a quem perdeu a sua casa.
29-11-2017
Incêndios: PSD propõe a criação de um programa nacional de apoio à recuperação do parque habitacional afetado
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Berta Cabral.
29-11-2017
PSD apresenta propostas para apoiar as empresas e os territórios que foram atingidos pelos incêndios
    Luís Leite Ramos frisou que estas medidas são urgentes e visam resolver problemas que afetam empresas e populações.
29-11-2017
PSD quer prestar Justiça a todas as vítimas dos incêndios deste ano
    Fernando Negrão apresentou 8 iniciativas dos sociais-democratas que visam impedir que o horror se repita.
23-11-2017
Incêndios: é tempo de apoiar as populações e empresas atingidas
    Margarida Balseiro Lopes apresentou as propostas do PSD que passam pela isenção de IMI para os edifícios atingidos e pela isenção do pagamento especial por conta.
23-11-2017
Com este governo a quota de genéricos subiu apenas 0,3%
    Ângela Guerra recordou que com o governo liderado pelo PSD o aumento foi de 16%.
22-11-2017
Incêndios: PSD propõe alívio fiscal para empresas atingidas
    Susana Lamas apresentou a iniciativa que visa isentar as empresas, durante 3 anos, de contribuições à segurança social.
03-11-2017
“O acesso dos doentes aos cuidados de saúde continuará a degradar-se”
    Miguel Santos alerta que com o aumento da dívida aos fornecedores os hospitais do SNS enfrentam um sério risco de rutura financeira.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas