Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“No Orçamento para 2018 não há uma visão de futuro para o país”
Para Maria Luís Albuquerque é de lamentar que “quem tem a responsabilidade de governar desperdice deliberadamente a oportunidade de assegurar um futuro mais sustentável”.
Para Maria Luís Albuquerque na proposta de Orçamento do Estado para 2018 “não há uma visão de futuro para o país, nem a ambição necessária a colocar o desenvolvimento de Portugal num patamar superior”. No debate na generalidade do documento, a social-democrata frisou que com esta proposta fica manifesto que “as reformas estruturais, cuja ausência criticamos desde o início, não acontecerão, nem no papel, quanto mais na prática”.
Antes, a deputada do PSD havia feito uma referência positiva a esta proposta de Orçamento do Estado: o facto de não prever a reestruturação da dívida pública. “Ainda bem. Acredito que também não fará parte da proposta de OE para 2019. Mais, acredito que tanto PCP como BE não voltarão a colocar tal intenção nos seus programas eleitorais em 2019. Afinal, depois de aprovar quatro orçamentos sem essa condição, dificilmente poderiam ser levados a sério se persistissem na promessa”.
Contudo, lamenta a deputada, este é o único ponto positivo a evidenciar, pois “a proposta desta maioria para o Orçamento do Estado para 2018 falha em todos os domínios de intervenção estrutural e que permitam assegurar uma trajetória de crescimento sustentado”.
Destacando a conjuntura externa favorável, a parlamentar lamentou que o governo não a saiba aproveitar e insista no aumento e criação de novos impostos, aumentando a receita estrutural. “Quer isso dizer que os recursos de que o Estado se apropria pesam cada vez mais. O que preocupa o PSD, e com o que não podemos concordar, começa exatamente com este aumento do peso do Estado na economia, quando todos os dados evidenciam que a base do nosso crescimento é o nosso tecido empresarial, com capitais nacionais ou estrangeiros. Quanto mais o Estado absorver da riqueza criada, maiores serão as dificuldades sentidas pelas empresas e menor será o esforço de investimento, menor será a criação de riqueza e de emprego e, mais cedo do que tarde, mais negativo será o impacto destas decisões no crescimento económico. A proposta de Orçamento do Estado para 2018 desconsidera as empresas e o seu papel determinante para o futuro do país. A crítica é generalizada por parte de todas as associações empresariais e pela maioria dos analistas, sendo a frase mais comum que este OE não tem nada para as empresas”.
“O PSD entende que o caminho que está a ser seguido é errado porque os custos desta opção serão suportados, a prazo, pelos Portugueses. As debilidades estruturais da economia portuguesa estão longe de estar ultrapassadas e num mundo globalizado e crescentemente competitivo só escolhas responsáveis podem assegurar uma proteção eficaz contra crises futuras. O PSD não discorda da reposição dos rendimentos afetados durante o processo de ajustamento, como prova inequivocamente o facto de essa reposição ter sido iniciada ainda pelo Governo anterior. O PSD não discorda também do repor da normalidade nas carreiras da administração pública, há demasiado tempo congeladas no que constitui uma injustiça para os funcionários públicos. Tanto assim é que fazia parte do programa de Governo submetido pelo executivo PSD/CDS saído das eleições legislativas de 2015. O PSD não se opõe igualmente à aplicação das regras de atualização das pensões que decorrem da lei de bases da segurança social. É importante estabelecer estes pontos prévios porque, apesar das evidências, a resposta às nossas propostas e críticas legítimas é sistematicamente feita com acusações sem sentido que impedem a discussão séria e construtiva que matérias desta relevância deveriam merecer”.
Depois de criticar os baixos níveis de investimento público, o aumento dos impostos indiretos, o aumento de carga fiscal para muitos trabalhadores independentes e a falta de “uma única referência à poupança”, a deputada referiu-se à Segurança Social. “Porque o PSD é um partido com raízes profundas na preocupação social, defendemos que há um conjunto de medidas a por em prática, designadamente para aumentar a transparência do sistema e facilitar o seu escrutínio pelos cidadãos. Não podemos ainda deixar de referir a falácia da afirmação do Governo de que a Segurança Social está de tão boa saúde que não será necessário haver transferências do Orçamento do Estado no próximo ano. Isto quando em 2017 foi criado um novo imposto sobre o sector imobiliário cuja receita foi consignada à Segurança Social e já a partir de 2018 se prevê a consignação de parte da receita de IRC”.
A terminar, Maria Luís Albuquerque lamentou que a única estratégia de consolidação que esteja presente no Orçamento seja a de “consolidação do poder no presente, e não uma estratégia de consolidação económica para o futuro. Não é surpreendente, mas é de lamentar que quem tem a responsabilidade de governar desperdice deliberadamente a oportunidade de assegurar um futuro mais sustentável”, concluiu.

03-11-2017 Partilhar Recomendar
Maria Luís Albuquerque responde a deputados do BE e PS
04-07-2019
Governo transpõe diretivas europeias fora de prazo e sem os pareceres das entidades especializadas
    Inês Domingos fala em desrespeito pelo Parlamento.
03-07-2019
Maioria parlamentar trata as matérias relevantes “de forma avulsa”
    Cristóvão Crespo censura a política fiscal do governo e fala numa estratégia “colada com cuspo”.
02-07-2019
20 países da União Europeia cresceram mais do que Portugal em 2018
    Apontando vários exemplos do falhanço governativo do PS, Inês Domingos adiantou que é tempo de “escolher uma alternativa reformista”.
19-06-2019
Governo das esquerdas é “forte com os fracos e fraco com os fortes”
    António Leitão Amaro fala numa “carga fiscal máxima para serviços e investimento público no mínimo”.
19-06-2019
Virgílio Macedo acusa a Autoridade Tributária de ter realizado um “arrastão fiscal”
    O deputado considera que as ações de cobrança de impostos na estrada “só aprofundam o sentimento de perseguição tributária dos contribuintes".
19-06-2019
PSD critica desproporção da atuação do Estado em relação à cobrança de dívidas
    Inês Domingos recordou que ao mesmo tempo que se faziam ações de cobrança de impostos na estrada, o PS votava contra a divulgação da lista dos grandes devedores à banca.
19-06-2019
Relação criada entre o governo e os contribuintes é marcada pela deslealdade
    Cristóvão Norte fala num executivo que “esconde, dissimula e anestesia os portugueses”.
12-06-2019
“É caótica e intolerável a excessiva demora deste governo na atribuição das pensões por reforma”
    Leonel Costa alertou para as graves consequências destes atrasos.
12-06-2019
“Em 2017 foi escrita uma das páginas mais negras da história recente de Portugal”
    No debate da Conta Geral do Estado de 2017, Cristóvão Crespo afirmou que “a política de cativações traduziu-se na ausência do Estado”.
07-06-2019
Governo “quer criar um pântano na supervisão”
    Inês Domingos acusou o executivo de “atacar de forma inusitada a independência dos reguladores do setor financeiro”.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas