Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Sérgio Azevedo enfatiza que “o que e passou em Tancos é um assunto grave”
O Vice-Presidente da bancada do PSD sublinhou que o alegado furto no Paiol de Tancos põe em causa a segurança do Estado e compromete Portugal no quadro internacional.
“A valorização de uma existência orgânica do Estado apela à realização visível de estruturas institucionais que lhe servem de base e que atravessam todas as instâncias intermediárias conferindo aos cidadãos direitos e deveres que modelam a sua íntima relação reciproca.
O desenvolvimento da ideia de direito, numa sociedade política democrática, constitui em simultâneo um conjunto de direitos e deveres de todos os seus membros traduzindo-se num equilíbrio entre coesão interna e a pluralidade das autonomias que a integram. É assim com a Defesa Nacional com a sua relação de proteção e defesa do Estado e na relação reciproca que ela estabelece com todos os cidadãos”. Foi com estas palavras que Sérgio Azevedo iniciou a sua intervenção, esta segunda-feira, no debate de atualidade, suscitado pelo PSD, sobre o “alegado furto no Paiol de Tancos”.
No entender do Vice-Presidente da bancada do PSD “o que e passou em Tancos é um assunto grave, que põe em causa a segurança do Estado, que compromete Portugal no quadro internacional, e que merece um cabal esclarecimento das instituições militares e políticas que tutelam a Defesa Nacional e um inquestionável aclaramento ao parlamento português como titular da representação política do povo português”.
Segundo o deputado, aqui a responsabilidade do Estado não é apenas o apuramento da responsabilidade política. “É sim a garantia de que tudo está a ser feito, de que tudo foi sempre feito para impedir situações como as que se passaram em Tancos. É neste contexto que podemos então ponderar três dimensões distintas. A responsabilidade que emana de uma investigação pelas autoridades judiciais que, encontrando-se em segredo de justiça, aguardaremos o resultado do seu decurso. A responsabilidade que emana das investigações internas do Exercito que devem ser do conhecimento do parlamento. E a responsabilidade de cooperação do Ministério da Defesa Nacional com os restantes órgãos de soberania para que, em conjunto, se encontrem soluções na salvaguarda de defesa do Estado”.
Tendo em conta estas três dimensões, Sérgio Azevedo frisou que duas delas não têm sido devidamente preenchidas. “Não apenas porque o Sr. Ministro não respondeu satisfatoriamente à comissão de defesa nacional sobre o sucedido, mas porque optou por revelar à imprensa um conjunto de suposições que adensam as dúvidas em vez de as esclarecer. Continuamos sem perceber se houve de facto um furto no paiol de Tancos. Continuamos sem perceber o que se passou nas 24 horas seguintes ao alegado furto e qual a razão que levou o Secretário-geral do SIRP a dizer publicamente que apenas teve conhecimento do furto pela comunicação social como, de resto, com a Unidade de Coordenação Antiterrorismo que só reuniu 48 horas depois reconhecendo que também tomou conhecimento do sucedido pela comunicação social não tendo sequer sido avisada pelo Exercito”.
A terminar, Sérgio Azevedo afirmou que também continuamos sem saber se é verdade ou não que terá ficado um ano na gaveta um despacho que mandava alterar e reforçar as medidas de segurança nos paióis de Tancos.

18-09-2017 Partilhar Recomendar
03-07-2019
Tancos: PS procurou branquear o desempenho do ex-Ministro da Defesa Nacional e do Primeiro-Ministro
    Berta Cabral refere que o relatório traduz “uma visão incompleta e parcial” do que se passou durante os trabalhos da Comissão de Inquérito.
02-07-2019
“A prioridade política do mundo ocidental deve apontar para a não proliferação das armas nucleares”
    José Cesário enfatiza que este é o tempo para uma “diplomacia ativa, sensata e realista”.
07-06-2019
Criação do estatuto do antigo combatente “é um verdadeiro dever da Pátria”
    Luís Pedro Pimentel enfatizou que este reconhecimento “deve ser inequívoco e abrangente”.
09-05-2019
Lei de Infraestruturas Militares não prevê mecanismos de transparência
    Pedro Roque deixou algumas críticas à proposta do governo e frisou que o PSD pretende contribuir para que o resultado final seja “mais consentâneo com a real necessidade das missões e do desempenho dos militares”.
09-05-2019
Defesa: cativações de Centeno afetam cumprimento da Lei de Infraestruturas Militares
    O alerta foi deixado por Rui Silva.
11-04-2019
Pedro Roque alerta para efeitos negativos para a instituição militar resultantes de um sistema de avaliação desadequado
    O alerta foi deixado no debate de uma Petição da Associação Nacional de Sargentos.
20-03-2019
Rui Silva: preservação da soberania nacional é intocável
    O deputado alertou ainda para o efeito das cativações no setor da Defesa.
13-03-2019
Com a privatização dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo a Empordef passou a dar lucro
    Leonel Costa recordou que as receitas da Empordef eram canalizadas para tapar os prejuízos dos Estaleiros.
15-02-2019
Bruno Vitorino contesta morosidade do processo de atribuição de pensões de preço de sangue
    O deputado considera que “é inaceitável e imoral a demora e burocracia associadas a situações tão sensíveis como esta”.
07-02-2019
PSD evoca memória dos membros do Congresso da República Portuguesa mortos na Grande Guerra
    Conceição Bessa Ruão declarou o apoio do PSD à iniciativa que visa consagrar a memória de João Francisco de Sousa, José Afonso Palla e José Botelho de Carvalho Araújo.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas