Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Os resultados desta governação são maus e fazem temer pelo futuro
Miguel Santos considera que o “corte cego” de 35% imposto pelo Ministro coloca em risco os serviços e urgência.
“Os resultados da vossa governação são maus e fazem temer pelo futuro”. Foi com estas palavras que Miguel Santos iniciou a sua intervenção, esta quarta-feira, no debate sobre Políticas de Saúde agendado pelo PSD.
Segundo o Vice-Presidente da bancada do PSD o governo está confrontado com duas opções: ou persistir nos erros e continuar esta política de ocultação dos problemas, ou mudar de políticas. Ao persistir na política atual, adianta o deputado, “vamos voltar ao buraco dos milhares de milhões de euros de há 6 anos, défices anuais no SNS de 600 e de 800 milhões de euros que eram a marca dos Governos de José Sócrates e com cortes no fornecimento de medicamentos”.
Refere o parlamentar que atualmente “existem desequilíbrios em todas as vertentes, mas este governo toma unicamente decisões de contexto e que visam prolongar o tempo de vida dos próprios decisores. As greves dos profissionais passaram a ser, em termos de comunicação, positivas, o aumento das reclamações dos utentes é reduzido a um epifenómeno, o estrangulamento da atividade dos hospitais são meros episódios, das demissões não se fala à espera que o tempo passe. Na área dos medicamentos para o VIH Sida, o governo está há mais de um ano a atrasar a entrada em vigor de terapêuticas inovadoras mais eficazes, menos tóxicas e mais baratas”.
“Desde que o atual Governo entrou em funções o recurso à contratação de médicos tarefeiros aumentou, contrariando uma tendência consolidada de 2012 a 2015. Em face desta derrapagem, o Ministro da Saúde decretou que tem de haver um corte de 35%. Esse diploma ameaça inclusivamente os gestores hospitalares de responsabilidade civil, financeira e disciplinar, para isentar o Ministro da Saúde da sua responsabilidade”. O resultado deste corte cego, refere Miguel Santos, é o cancelamento de cirurgias, a instabilidade, a demissão de dirigentes, os hospitais mais carenciados a entrarem em linha de risco e as urgências a ficarem em perigo. Tudo isto, acrescenta o social-democrata, consequência de uma medida adotada antes do Verão, contrariando as afirmações que o Ministro tinha dito precisamente no ano passado.
Perante este cenário, Miguel Santos é perentório em afirmar que o Governo toma estas medidas porque “o Ministro está aflito”, pois a somar à deterioração da situação financeira do SNS juntam-se as falhas nos serviços, a falta de pessoal, a falta de material, a falta de medicamentos, como ainda recentemente o Grupo Parlamentar teve oportunidade de visita que fez ao Centro Hospitalar do Algarve.
No que respeita ao plano de redução dos horários de funcionamento de um significativo número de ambulâncias de emergência médica, que o Ministro agora diz que não existe, Miguel Santos afirmou que basta ir aos locais e perceber que as ambulâncias não estão a sair.

14-06-2017 Partilhar Recomendar
19-07-2017
PSD recomenda ao Governo o reforço das respostas para a Saúde Mental
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Ângela Guerra.
12-07-2017
Ministro da Saúde vive do trabalho do anterior governo
    Miguel Santos lembrou ao governante que os resultados anunciados são fruto das políticas implementadas pelo seu antecessor.
06-07-2017
Fátima Ramos lamenta “guerrilha” da esquerda no debate sobre os direitos das pessoas doentes em fim de vida
    A deputada desafiou os partidos a deixarem de olhar para o passado e começarem a preparar um futuro melhor.
06-07-2017
Ângela Guerra destaca a importância da formação de profissionais de saúde em cuidados paliativos
    A deputada enfatizou ainda que é crucial uma aposta no desenvolvimento da rede de cuidados paliativos.
06-07-2017
Doentes em fim de vida: segundo Ricardo Baptista Leite “não estamos a fazer tudo” para evitar o sofrimento destas pessoas
    O deputado considera que as leis em vigor não resultam.
06-07-2017
Saúde: montante dos pagamentos em atraso dos hospitais aumentou 44%
    Simão Ribeiro acusou o governo de ter aumentado a dívida do SNS em 2 mil milhões de euros.
06-07-2017
Isaura Pedro destaca a importância do acompanhamento psicológico que os profissionais de saúde fazem aos pacientes com prognóstico de vida limitado
    O cumprimento foi deixado no debate sobre os direitos destes doentes.
14-06-2017
Balanço da política de saúde das “esquerdas unidas”: “descontrolo, desinvestimento e desespero”
    Luís Montenegro referiu que com o regresso do PS ao governo regressaram os calotes.
14-06-2017
Governo PSD aumentou em 25% a quota de mercado dos genéricos. Atual governo apenas 0,3%
    Luís Vales refere que esta estagnação não contribui para a sustentabilidade do SNS, afeta negativamente as empresas que os produzem e prejudica os doentes mais desfavorecidos.
14-06-2017
Firmino Pereira defende arranque da segunda fase da requalificação do Hospital de Gaia
    O deputado alertou ainda para o subfinanciamento desta unidade de saúde.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas