Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Sandra Pereira acusa PCP e BE de apresentarem iniciativas que são “um logro para os trabalhadores”
No debate sobre precariedade laboral, a deputada afirmou que estes partidos estão a fazer uma “encenação política”.
No debate de várias iniciativas legislativas referentes à precariedade laboral e ao reforço dos direitos dos direitos dos trabalhadores, Sandra Pereira considerou que esta discussão não pode ser feita à margem da concertação social. “Este debate encerra uma causa tão maior para o nosso País que não pode viver aprisionado a conceitos ideológicos de partidos que vivem do protesto e da permanente tensão social. O PSD valoriza a concertação social como um espaço de diálogo e tranquilidade social, um espaço de cooperação e compromisso entre os parceiros sociais capaz de assegurar o progresso e o desenvolvimento”.
De seguida, a deputada lembrou que nesta sessão legislativa já vamos com inúmeros debates sobre este tema e já deram entrada um número sem conta de iniciativas legislativas todas elas com o objetivo de combater a precariedade, reforçar direitos e reverter a reforma laboral. Contudo, adianta a parlamentar, “o que se tem aqui passado é um logro, é um logro para o país, e é um logro para os trabalhadores, porque não há consequências. É só retórica. O que aqui se tem passado é uma encenação política, uma encenação política protagonizada pela competição oportunista entre o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista que disputam o mesmo eleitorado e disputam a paternidade do tema”.
“São os partidos que sustentam o Governo que aqui vêm sistematicamente pressionar alterações à legislação laboral fazendo do parlamento a caixa de ressonância das posições conjuntas que negociaram, enquanto o Governo, esse Governo que apoiam, anda a lourear-se com os resultados obtidos com a descida do desemprego consequência da legislação laboral vigente que é fruto da reforma laboral que o anterior Governo do PSD/CDS corajosamente empreendeu. Reforma que o PS, sempre, sempre criticou, de forma leviana até, uma vez que constituía compromissos oriundos da aplicação do memorando de entendimento, aos quais o PS também estava obrigado. Mas, se por mais não fosse, constituía compromissos para assegurar a solvabilidade do País, a solvabilidade do país que o PS deixou em falência”.
Dirigindo-se às bancadas da esquerda, Sandra Pereira lembrou que o desemprego em Portugal iniciou uma trajetória descendente desde 2013. “A taxa de desemprego caiu de 17% em 2013, para os 11% em 2015. Entre 2014 e 2016 a população empregada aumentou em cerca de 176 mil trabalhadores. Em 2016 a população empregada representou 32% deste valor, o que significa que cerca de 70% do emprego criado nos últimos dois anos foi gerado até 2015. Relativamente à população desempregada decaímos no total 282 mil pessoas, sendo que em 2016 houve o contributo de 26% da baixa de desemprego, ou seja, o desemprego caiu quase 75% do total só entre 2014 e 2015. Quer isto dizer que foi no anterior governo que, quer a queda do desemprego, quer o aumento do emprego, se verificaram de forma mais acentuada. E quer isto dizer que tal se deve à Reforma Laboral”.
A terminar, Sandra Pereira desafiou o PS a anunciar qual vai sei a posição que vai assumir na votação.

12-06-2017 Partilhar Recomendar
12-06-2017
Álvaro Batista afirmou que com este governo a precariedade aumentou
    O deputado recordou que só no Estado passaram a existir mais 17 mil contratos a prazo.
09-06-2017
Feliciano Barreiras Duarte: “o PS colocou a concertação social na gaveta”
    O deputado enfatizou que a valorização da concertação social é uma matéria prioritária para o PSD.
09-06-2017
Dinamização da contratação coletiva resulta das reformas do governo liderado pelo PSD
    Clara Marques Mendes lembrou ao PCP que essa realidade foi assumida pelo Ministro Vieira da Silva.
09-06-2017
Governação da esquerda assenta numa política de revogar, reverter e regredir
    Helga Correia lamentou que não sejam tomadas medidas que permitam o aumento da produtividade e melhoria da competitividade do mercado de trabalho.
09-06-2017
“Com este governo as reformas laborais serão adiadas e as feitas pelo anterior governo são revertidas”
    Carla Barros considera que o PS tem de definir se fica refém do BE e PCP, ou se defende uma sociedade justa e equilibrada.
09-06-2017
Ana Oliveira acusou o governo e as bancadas que o suportam de amnésia
    A deputada afirmou que esquerda esquece que o bom momento que o país vive no mercado de trabalho é fruto das reformas do anterior governo.
08-06-2017
Não podemos permitir que PCP e BE revoguem a legislação laboral que está a contribuir para o emprego aumentar
    Segundo Susana Lamas estes partidos apenas estão preocupados em revogar, reverter e regredir, num total desrespeito pelos compromissos alcançados em sede de concertação social.
07-06-2017
Adão Silva considera que o PCP e o BE estão a “esganar” o PS
    De acordo com o social-democrata estes dois partidos estão a digladiar-se para ver quem é capaz de destruir a dinâmica criada no mercado de trabalho.
07-06-2017
Banco de horas motiva encenação por parte do BE e PCP
    Carla Barros lembrou que o PS assumiu o compromisso de abordar esta matéria em sede de concertação social.
07-06-2017
O PSD está orgulhoso por ter implementado as reformas que estão na origem do aumento do emprego
    Segundo Mercês Borges são evidentes os resultados dessas reformas, quer ao nível da redução do número de trabalhadores desempregados, quer pela criação de novos empregos.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas