Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“Com este governo as reformas laborais serão adiadas e as feitas pelo anterior governo são revertidas”
Carla Barros considera que o PS tem de definir se fica refém do BE e PCP, ou se defende uma sociedade justa e equilibrada.
O Parlamento debateu, esta sexta-feira, três recomendações ao governo, que vão desde os temas da formação profissional, ao teletrabalho, passando pela contratação coletiva. Intervindo em nome do PSD, Carla Barros começou por saudar o CDS pela iniciativa e por frisar que o denominador comum mais importante neste debate, é o apelo de que estas matérias devem ser debatidas em sede de concertação social. “O BE e o PCP não dirão o mesmo, mas a concertação tem subjacentes dois princípios que muito o PSD valoriza: o diálogo social e a paz social. A concertação social é uma verdadeira camara de descompressão, na qual os partidos da extrema-esquerda não se reveem. Para estas minorias, a sociedade da crispação e da revolução e dos conflitos nas relações laborais, são a sua garante de sobrevivência, com quem o PC decidiu encontrar uma solução governativa para o nosso país. É nesta contradição ideológica desajustada aos tempos atuais, que este governo do partido socialista apoia a sua governação e se vê obrigado a aprovar propostas que nunca, em tempo algum, encontraram abertura no código do Trabalho”.
De seguida, a parlamentar enfatizou que “o PSD não se demite da sua responsabilidade, e por isso, temos sempre apelado a que haja um novo patamar de crescimento, denunciando sempre os sinais de um país adiado. O governo e os seus parceiros de coligação não têm vontade de continuar as reformas do anterior governo PSD/CDS. As reformas laborais serão adiadas e as que foram feitas pelo anterior governo estão a ser revertidas. Isto não é novidade, é o que os portugueses têm vindo a assistir. O governo está surdo para a oposição e para as Instituições internacionais que constantemente apelam a que continuemos o caminho reformista que o país teve até aqui”.
Dirigindo-se às bancadas que suportam o governo, a social-democrata enfatizou que o PSD está satisfeito “com a confirmação de que o país cresce, mas estamos defraudados porque este governo revela, constantemente, falta de capacidade para consolidar estas perspetivas de crescimento. Senão vejamos: o pib está a crescer, mas o anterior governo, governando nas condições adversas que tinha, de 2014 para 2015 quase duplicou o seu crescimento. Por isso, exigimos ação do governo. Também exigimos ação do governo na capacidade de gerar emprego, que tem de acompanhar o mesmo impulso da queda do desemprego. Convém lembrar que a grande queda do desemprego, 75% da queda do desemprego, verificou-se entre 2014 e 2015, quando 282 mil pessoas desempregadas saíram deste flagelo. Por isso, temos legitimidade para exigir ação deste governo. Exigimos mais ação deste governo para criar mais e melhor emprego. Porquê, perguntar-me-ão, certamente? Porque o emprego precário está a aumentar. O combate à precariedade é fulcral para o PSD, mas este governo converteu-o num anúncio populista, para agradar aos seus parceiros de coligação”.
Depois de abordar o tema do cheque-formação, sublinhando que os trabalhadores precisam de medidas ativas de formação profissional que lhes permitam adquirir novas competências e melhorar competências adquiridas, Carla Barros insistiu na exigência de ação a este governo. “O PS e este governo têm de se definir, se ficam refém do BE e PCP, que pretende destruir as leis laborais e o consequente desenvolvimento e crescimento do país, ou se quer ficar refém, mas bem ancorado, aos valores mais altos: de uma sociedade justa e equilibrada, de trabalhadores e de empresas, de famílias e de indivíduos, onde prevaleça o bem-estar para todos”.
“Se para o PS e para este governo é uma dúvida, para o PSD é uma certeza, quer estejamos no poder ou na oposição, a nossa missão é servir o país com patriotismo, como fizemos nos 4 anos em que fomos governo e resgatamos o país da crise. Fica a certeza, de que faríamos muito melhor do que o que está a ser feito”.

09-06-2017 Partilhar Recomendar
09-05-2018
POISE: PSD exige explicações do Ministro do Trabalho sobre os atrasos nos reembolsos aos projetos beneficiários
    Cristóvão Crespo e Mercês Borges querem que esta situação seja “resolvida com rapidez”.
02-05-2018
Temos de estar todos empenhados no debate sobre as implicações da evolução tecnológica no mundo laboral
    Mercês Borges sublinhou a importância dos trabalhadores terem acesso a mais e melhores qualificações.
02-05-2018
PSD defende a atualização salarial da Função Pública em 2019
    Pedro Roque frisou que no presente momento económico e financeiro de Portugal, “é ilegítimo e injusto continuar a congelar os salários da Função Pública”.
22-03-2018
Com este governo assistimos a muitos anúncios e pouca concretização
    Nilza de Sena considera que essa concretização é crucial para que Portugal não continue a ter o quinto crescimento mais baixo da Europa.
22-03-2018
Crescimento económico: continuamos na cauda da União Europeia
    Paulo Neves confrontou a euforia dos socialistas com a realidade dos números.
14-03-2018
Legislação Laboral: as leis em vigor são boas
    Adão Silva questionou se ainda vamos ver o PCP na rua a gritar: “a luta continua, governo para a rua”.
14-03-2018
Legislação Laboral: Pedro Roque apela ao sentido de responsabilidade do PS
    O social-democrata alertou para os riscos de uma cedência dos socialistas à agenda da esquerda-radical.
14-03-2018
Susana Lamas: PCP insiste em reverter reformas e em permanecer no passado
    A deputada considera que os comunistas pretendem a retoma de legislação laboral que está obsoleta.
14-03-2018
“Governo não está a saber aproveitar a conjuntura favorável para preparar o futuro”
    Mercês Borges lamentou a apatia de um executivo que, além de não dar resposta às necessidades das empresas, deixa pairar a ameaça de uma revisão das leis laborais.
14-03-2018
Sandra Pereira: “o PCP cristalizou-se e parou no tempo”
    A deputada referiu-se à “inquietação” de um partido que defende uma coisa na rua e depois vota ao lado do governo.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas