Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
O governo reconheceu o fracasso da sua estratégia
Miguel Morgado considera que estamos perante um governo sem coerência estratégica e sem capacidade reformista.
No encerramento do debate sobre o Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas, Miguel Morgado referiu-se a um número de que vale a pena falar: o número zero.
Segundo o Vice-Presidente da bancada do PSD o número zero regista-se em primeiro lugar na coerência estratégica do governo. “No início era a ideia peregrina de que o estímulo ao consumo traria a bonança económica. O fracasso dessa via não é reconhecido nas palavras do governo, mas é reconhecido no Programa de Estabilidade. O PSD avisou desde o primeiro momento que o caminho era pela via das exportações e do investimento e agora temos essa confissão expressa no Programa de Estabilidade”.
Depois de elencar esta “cambalhota do governo”, o social-democrata frisou que o zero surge novamente quando falamos de reformas. “Já se torna um ritual estranho o Programa Nacional de Reformas sem qualquer reforma estrutural”, ironizou o deputado.
Perante esta ausência de reformas, Miguel Morgado enfatizou que desta forma fica mais claro que os portugueses estão perante dois projetos políticos bem distintos: um, representado pelo PS, apoiado temporariamente pelas esquerdas mais radicais, e outro projeto representado pelo PSD. “Do lado do PS, temos um projeto de um poder hegemónico e patrimonialista que tem como máximas definidoras as inesquecíveis «quem se mete com o PS leva» e «o dinheiro do Estado é do PS». É um projeto de poder hegemónico e patrimonialista que visa tornar-nos a todos dependentes do partido governante. Do lado do PSD, temos um projeto oposto, de limitação de poder, de todos os poderes. Pela libertação e autonomia da sociedade civil e da economia, incluindo a independência das instituições. Do lado do PS e das esquerdas temos as agendas ideológicas sectárias, que não são mais do que desejos secretos de engenharias sociais catastróficas. Do lado do PSD temos o projeto da modernização reformista do país, recorrendo ao bom senso, ao equilíbrio, aos dados elementares da experiência de vida dos portugueses, das empresas, associações e suas instituições”.
Perante estas diferenças fundamentais entre dois projetos políticos completamente distintos, conclui Miguel Morgado, “não haverá lugar para erros de perceção mútuos”.

19-04-2017 Partilhar Recomendar
26-04-2017
Passos Coelho acusa o PS de lidar mal com entidades independentes
    O líder do PSD recordou a velha máxima socialista de que “quem se mete com o PS leva”.
21-04-2017
Governo das esquerdas já envolveu na banca mais de 10 mil milhões de euros dos contribuintes
    António Leitão Amaro afirmou que este Tempo Novo das Esquerdas traz negócios ruinosos para os contribuintes, mas generoso para os bancos.
21-04-2017
Imposto sobre os Combustíveis: PCP e BE são cúmplices de um aumento de 250 milhões de euros
    Segundo Duarte Pacheco este aumento sobre as famílias portuguesas é da responsabilidade do governo e dos partidos que o suportam.
21-04-2017
“Portugal é atualmente um dos países que tem a gasolina mais cara do mundo”
    Margarida Balseiro Lopes desafiou o governo a voltar atrás no brutal aumento do Imposto sobre os Combustíveis.
19-04-2017
Sem reformas, o governo limita-se a falar e a esperar que as coisas aconteçam
    Segundo Duarte Pacheco os resultados comprovam que 2016 foi um ano perdido.
19-04-2017
“O governo tinha a obrigação de retirar Portugal do lixo e de pôr a economia a crescer muito mais”
    Maria Luís Albuquerque frisou que para este governo e para os partidos que o apoiam só a banca merece cuidados e preocupações.
07-04-2017
Parece que a esquerda pretende proteger Ricardo Salgado e transformar o Governador do Banco de Portugal no ladrão
    Carlos Silva afirmou que o PSD não aceita “que se confundam polícias com ladrões” e que o PS tente apagar as suas responsabilidades no sistema financeiro.
07-04-2017
“A independência do Banco central face aos supervisionados e face ao poder político é fundamental”
    Inês Domingos classificou como “intolerável” o ataque que está a ser feito pelo governo das esquerdas ao Banco de Portugal.
06-04-2017
“O PSD sempre se bateu por medidas que tornem mais equitativa e justa a distribuição da carga fiscal”
    Já a maioria de esquerda, na opinião de Cristóvão Crespo, só se consegue entender para destruir.
23-03-2017
Cristóvão Norte alerta que reestruturar a dívida é mexer nas poupanças dos portugueses
    O deputado lembrou que houve um aumento da exposição dos portugueses à dívida pública.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas