Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
O governo reconheceu o fracasso da sua estratégia
Miguel Morgado considera que estamos perante um governo sem coerência estratégica e sem capacidade reformista.
No encerramento do debate sobre o Programa de Estabilidade e Programa Nacional de Reformas, Miguel Morgado referiu-se a um número de que vale a pena falar: o número zero.
Segundo o Vice-Presidente da bancada do PSD o número zero regista-se em primeiro lugar na coerência estratégica do governo. “No início era a ideia peregrina de que o estímulo ao consumo traria a bonança económica. O fracasso dessa via não é reconhecido nas palavras do governo, mas é reconhecido no Programa de Estabilidade. O PSD avisou desde o primeiro momento que o caminho era pela via das exportações e do investimento e agora temos essa confissão expressa no Programa de Estabilidade”.
Depois de elencar esta “cambalhota do governo”, o social-democrata frisou que o zero surge novamente quando falamos de reformas. “Já se torna um ritual estranho o Programa Nacional de Reformas sem qualquer reforma estrutural”, ironizou o deputado.
Perante esta ausência de reformas, Miguel Morgado enfatizou que desta forma fica mais claro que os portugueses estão perante dois projetos políticos bem distintos: um, representado pelo PS, apoiado temporariamente pelas esquerdas mais radicais, e outro projeto representado pelo PSD. “Do lado do PS, temos um projeto de um poder hegemónico e patrimonialista que tem como máximas definidoras as inesquecíveis «quem se mete com o PS leva» e «o dinheiro do Estado é do PS». É um projeto de poder hegemónico e patrimonialista que visa tornar-nos a todos dependentes do partido governante. Do lado do PSD, temos um projeto oposto, de limitação de poder, de todos os poderes. Pela libertação e autonomia da sociedade civil e da economia, incluindo a independência das instituições. Do lado do PS e das esquerdas temos as agendas ideológicas sectárias, que não são mais do que desejos secretos de engenharias sociais catastróficas. Do lado do PSD temos o projeto da modernização reformista do país, recorrendo ao bom senso, ao equilíbrio, aos dados elementares da experiência de vida dos portugueses, das empresas, associações e suas instituições”.
Perante estas diferenças fundamentais entre dois projetos políticos completamente distintos, conclui Miguel Morgado, “não haverá lugar para erros de perceção mútuos”.

19-04-2017 Partilhar Recomendar
24-04-2018
Emídio Guerreiro compara o Ministro das Finanças ao Xerife de Nottingham
    Em causa, a ânsia do governante em cobrar impostos aos portugueses.
24-04-2018
“A estratégia fiscal do governo tem três eixos: mais impostos, mais impostos e mais impostos”
    Inês Domingos enfatizou que o Programa de Estabilidade comprova que este é um “governo esgotado, sem ideias novas e que apenas gere o dia-a-dia”.
20-04-2018
Programa de Estabilidade: PSD defende “uma alternativa de Mais Crescimento e Melhor Estado”
    Os sociais-democratas recomendam ao governo que prossiga a redução do défice e da dívida mas com “outro caminho de consolidação orçamental”.
16-03-2018
Duarte Pacheco acusa a esquerda de “hipocrisia fiscal”
    Na base da acusação do social-democrata está a “borla fiscal às empresas” dada pela esquerda.
16-03-2018
Esquerda insiste em dar uma enorme borla fiscal a um pequeno grupo de grandes empresas
    No Debate de Atualidade sobre “equidade e competitividade na tributação das empresas”, António Leitão Amaro anunciou que com a esquerda a EDP pagou 27 vezes menos impostos do que em 2015.
04-01-2018
“Queremos um Novo Ano em que o Estado não falhe aos cidadãos”
    Maria Luís Albuquerque frisou que o “PSD não assumirá o ónus das escolhas que não são as suas. Seremos sempre responsáveis, nunca seremos cúmplices”.
03-11-2017
“No Orçamento para 2018 não há uma visão de futuro para o país”
    Para Maria Luís Albuquerque é de lamentar que “quem tem a responsabilidade de governar desperdice deliberadamente a oportunidade de assegurar um futuro mais sustentável”.
20-10-2017
Cativações colocaram em causa a qualidade dos serviços públicos
    Duarte Pacheco afirmou que até o PCP reconhece essa realidade.
20-09-2017
PSD apresenta propostas para reforçar a supervisão financeira e completar a União Bancária
    Maria Luís Albuquerque sublinhou a necessidade de alterações que conduzam à proteção dos contribuintes e a uma sustentada confiança no mercado e nas instituições.
19-07-2017
António Leitão Amaro acusa PS, PCP e BE de fazerem um perdão à banca de 630 milhões de euros
    O Vice-Presidente da bancada do PSD alertou que quem paga são os contribuintes.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas