Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“A independência do Banco central face aos supervisionados e face ao poder político é fundamental”
Inês Domingos classificou como “intolerável” o ataque que está a ser feito pelo governo das esquerdas ao Banco de Portugal.
“Entre 2012 e 2015 houve transformações profundas ao regime de supervisão que melhoraram a proteção das famílias e das empresas. Durante esse período o anterior Governo implementou mais de uma dezena de leis para: reforçar os poderes da supervisão, aumentar o regime sancionatório, proteger os clientes das instituições financeiras de práticas comerciais desleais, limitar a exposição dos contribuintes às potenciais crises no setor financeiro”. Estas foram as palavras iniciais de Inês Domingos no debate sobre a Supervisão do Setor Financeiro.
Sublinhando que o PSD é partido reformista, a deputada afirmou que os sociais-democratas acreditam que é possível continuar a aperfeiçoar o regime de supervisão para aumentar a confiança dos cidadãos no setor financeiro e permitir que o financiamento da economia se faça de maneira mais leal, justa e eficiente. “Devemos começar, a nível Europeu, por completar a União bancária com o mecanismo europeu de garantia de depósitos. Sem este mecanismo, os problemas no setor financeiro são tratados a nível europeu mas as consequências continuam a cair fundamentalmente nos Estados membros. E este Governo das esquerdas, que prometia que os banqueiros alemães até iam tremer, afinal está calado. Não insiste, não exige o que é fundamental para completar a união bancária. O Governo, que ia fazer voz grossa, afinal pia fininho”.
A nível interno, a parlamentar considera que devemos atuar em dois eixos: reforçar a coordenação entre supervisores, aumentando a capacidade e a responsabilidade do Conselho Nacional de Supervisores Financeiros, com meios próprios e equipas próprias e aperfeiçoar a supervisão comportamental, isto é a supervisão dos produtos que são vendidos aos balcões das instituições financeiras. “Na nossa opinião estas mudanças, que são importantes e necessárias, devem, no entanto respeitar três princípios basilares: evitar custos de transição para o setor financeiro e para os contribuintes, o que recomenda ponderação nas mudanças, evitar a fragmentação da massa crítica de recursos que está a ser lentamente acumulado nos supervisores mas que precisa de ser ainda completada, finalmente, e mais importante, preservar e até reforçar a independência das instituições de supervisão”.
Neste âmbito, Inês Domingos frisou que “a independência do Banco central face aos supervisionados e face ao poder político é fundamental, porque limita a capacidade de influência da política no sistema financeiro que tem sido uma grande causa da desconfiança por parte dos cidadãos”.
A deputada considerou, de seguida, como grave a posição do PS de “querer voltar aos saudosos tempos do Eng. Sócrates, com uma visão dirigista da supervisão, que mina a independência dos supervisores, em particular do banco de Portugal. E os ataques à independência já começaram. Este Governo, apoiado pelas esquerdas: rejeitou as indicações do Banco de Portugal para as nomeações para o conselho de administração extravasando a sua função de aprovação; governo e PS atacam sistematicamente o Governador do Banco de Portugal, obrigando-o a uma defesa pública da sua independência e até à intervenção do Presidente da República. Mais recentemente, aqui neste hemiciclo, o Ministro das finanças disse e cito «não é possível atribuir estatuto de independência (…) quando a atuação tem de ser feita com o Ministério das Finanças». Esta expressão diz tudo. Mostra que o Ministro acredita na subordinação política do Banco de Portugal na área da supervisão”.
Classificando esta atitude como “um ataque intolerável”, Inês Domingos concluiu a sua intervenção enfatizando que o PSD lutará sempre para preservar a independência de instituições que são um importante pilar da nossa democracia.

07-04-2017 Partilhar Recomendar
19-07-2017
António Leitão Amaro acusa PS, PCP e BE de fazerem um perdão à banca de 630 milhões de euros
    O Vice-Presidente da bancada do PSD alertou que quem paga são os contribuintes.
07-07-2017
“Este é o governo da instabilidade fiscal sobre as famílias e sobre a economia”
    Jorge Paulo Oliveira acusou o governo de estar constantemente a alterar impostos e benefícios fiscais.
07-07-2017
Luís Montenegro desafiou o Ministro das Finanças a dizer onde cortou mil milhões de euros e quais as consequências
    O líder parlamentar do PSD enfatizou que a austeridade manhosa colocou os serviços públicos à míngua.
07-07-2017
Cativações do governo levaram o Estado a falhar nas suas funções essenciais
    António Leitão Amaro afirmou que, contrariamente ao que era dito pela propaganda da esquerda, em 2016 o governo cativou mil milhões de euros.
06-07-2017
“O ano de 2015 foi marcado pela continuação da recuperação da atividade económica”
    No debate da Conta Geral do Estado de 2015, Cristóvão Crespo lamentou que esta trajetória não se tenha mantido em 2016.
23-06-2017
Solução para lesados do BES: governo coloca portugueses contra portugueses
    Carlos Silva acusou a geringonça de estar a “ilibar vigaristas que venderam banha da cobra aos clientes bancários”.
12-06-2017
Governo atua fora da lei e desrespeita as instituições
    A acusação foi deixada por Duarte Pacheco no Plenário.
12-06-2017
António Leitão Amaro: “o Primeiro-Ministro faltou à verdade ao Parlamento”
    O deputado considera que a retirada de 3 territórios da lista negra de Offshores foi conduzida pelo governo de uma forma que “só levanta e agrava a suspeita”.
23-05-2017
Luís Montenegro acusa o Governo de viver “à custa da herança”
    O líder parlamentar do PSD frisou que o executivo tem de colocar Portugal a crescer pelo menos o dobro do que crescemos no ano passado.
10-05-2017
Luís Montenegro desafia o governo a fazer uma reforma da Segurança Social e “não remendos”
    O social-democrata exigiu a António Costa a máxima seriedade e respeito pelos atuais e futuros pensionistas.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas