Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
“O SNS tem a dívida a crescer, menos investimento e os níveis assistenciais a deteriorarem-se”
Segundo Miguel Santos é este o resultado da governação de PS, PCP e BE.
Miguel Santos alertou, esta quarta-feira, para a tentativa das esquerdas de reeditar a história. Numa declaração política em nome do PSD, o Vice-Presidente da bancada social-democrata acusou a esquerda de fingir que o passado não teve uma causa e que as políticas do anterior Governo não tiveram múltiplas condicionantes. Recorda o deputado que há seis anos, o Serviço Nacional de Saúde encontrava-se numa espiral de endividamento crescente. “A dívida ascendia a 3,7 mil milhões de euros, um valor tal que provocou o corte de fornecimento de medicamentos aos hospitais públicos. O défice do SNS em 2010, o último ano completo de governação socialista, ascendeu a quase 800 milhões de euros”.
Quando assumiu o governo, lembra o social-democrata, o Governo PSD/CDS implementou um programa de regularização de dívidas, saldando pagamentos em atraso em montante superior a 2,4 mil milhões de euros e recapitalizando as unidades hospitalares em 970 milhões de euros. “A discriminação positiva que o SNS mereceu não se limitou aos aspetos financeiros. Os indicadores de saúde dos portugueses melhoraram. A esperança média de vida à nascença subiu de 79,5 anos, em 2011, para 80,4 anos, em 2015, e a taxa de mortalidade infantil desceu de 3,1 por mil, em 2011, para 2,9 por mil, em 2015. Entre 2011 e 2015, foi comprovadamente melhorada a acessibilidade aos cuidados de saúde prestados pelo SNS. Assim, entraram em funcionamento sete novos hospitais, 129 novas Unidades de Saúde Familiar e 81 novas Unidades de Cuidados na Comunidade. Foram contratualizadas mais de 2100 camas nos cuidados continuados e mais de 200 camas nos cuidados paliativos. O número de portugueses sem médico de família reduziu-se em 800 mil, uma redução de 44%. E os portugueses isentos do pagamento de taxas moderadoras aumentaram de 4,3 milhões para mais de 6 milhões”.
No que respeita à atuação do atual governo, Miguel Santos afirma que desde que iniciou funções existe um discurso que não tem reflexo na realidade do país. “A execução orçamental do SNS é o triste exemplo desta crescente deterioração. Os pagamentos em atraso dos hospitais aumentaram, de janeiro para fevereiro deste ano, em mais 59 milhões de euros. Quanto às PPP´s, o governo tem aumentado o seu financiamento. Em simultâneo, o investimento no SNS, entre 2015 e 2016, caiu 34%, de 147 milhões de euros para 97 milhões. Nos primeiros dois meses de 2017, o investimento recuou 56%, por comparação com o período homólogo. Todos sabemos que o resultado desta política, de desmantelamento e de desinvestimento efetivo, conduz à degradação do SNS e à consequente redução do acesso aos cuidados de saúde”.
Depois de lembrar que até a líder do BE já reconheceu uma “enorme contração no investimento e uma enorme contração dos serviços públicos”, o Vice da “bancada laranja” frisou que PS, o PCP e o BE “prometeram muito, mas, passado todo este tempo de exercício tripartido do poder, não cumprem e agravam as condições de acesso ao SNS”. “O SNS tem dívida a crescer, despesa desestruturada, menos investimento, mais precariedade e os níveis assistenciais a deteriorarem-se. Pela nossa parte, não desistiremos jamais de defender os interesses do país, dos portugueses, dos profissionais de saúde, apresentando propostas que permitam inverter este ciclo. Mais uma vez, está em risco a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde e a acessibilidade dos cidadãos aos cuidados de saúde. É inacreditável e inaceitável que este Governo e estes partidos, nada tenham aprendido com a história recente”, concluiu o social-democrata.

29-03-2017 Partilhar Recomendar
Miguel Santos responde aos deputados do PS e CDS
Miguel Santos responde aos deputados do BE e PCP
04-10-2017
Hugo Soares acusou António Costa de liderar o “governo da desresponsabilização”
    O líder parlamentar do PSD lastimou a forma como o Primeiro-Ministro se desresponsabiliza de todos os casos.
19-07-2017
PSD recomenda ao Governo o reforço das respostas para a Saúde Mental
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Ângela Guerra.
12-07-2017
Ministro da Saúde vive do trabalho do anterior governo
    Miguel Santos lembrou ao governante que os resultados anunciados são fruto das políticas implementadas pelo seu antecessor.
06-07-2017
Fátima Ramos lamenta “guerrilha” da esquerda no debate sobre os direitos das pessoas doentes em fim de vida
    A deputada desafiou os partidos a deixarem de olhar para o passado e começarem a preparar um futuro melhor.
06-07-2017
Ângela Guerra destaca a importância da formação de profissionais de saúde em cuidados paliativos
    A deputada enfatizou ainda que é crucial uma aposta no desenvolvimento da rede de cuidados paliativos.
06-07-2017
Doentes em fim de vida: segundo Ricardo Baptista Leite “não estamos a fazer tudo” para evitar o sofrimento destas pessoas
    O deputado considera que as leis em vigor não resultam.
06-07-2017
Saúde: montante dos pagamentos em atraso dos hospitais aumentou 44%
    Simão Ribeiro acusou o governo de ter aumentado a dívida do SNS em 2 mil milhões de euros.
06-07-2017
Isaura Pedro destaca a importância do acompanhamento psicológico que os profissionais de saúde fazem aos pacientes com prognóstico de vida limitado
    O cumprimento foi deixado no debate sobre os direitos destes doentes.
14-06-2017
Balanço da política de saúde das “esquerdas unidas”: “descontrolo, desinvestimento e desespero”
    Luís Montenegro referiu que com o regresso do PS ao governo regressaram os calotes.
14-06-2017
Governo PSD aumentou em 25% a quota de mercado dos genéricos. Atual governo apenas 0,3%
    Luís Vales refere que esta estagnação não contribui para a sustentabilidade do SNS, afeta negativamente as empresas que os produzem e prejudica os doentes mais desfavorecidos.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas