Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Dívida pública: “o Governo está a jogar à lotaria com o nosso futuro”
Inês Domingos considera que a atuação do executivo, nesta como em outras matérias, “é o reflexo de uma política imediatista, sem olhar às consequências para o futuro”.
“A dívida é um problema importante que é preciso enfrentar com responsabilidade e prudência. O debate de hoje deve servir para isso, para compreender quais são as ações que temos de promover e quais são as que devemos rejeitar, sob pena de causar ainda mais problemas e de piorar a situação das famílias”. Foi com estas palavras que Inês Domingos iniciou a sua intervenção, esta quinta-feira, no debate de urgência sobre a Dívida pública.
Refere a deputada que apesar do peso da dívida portuguesa, privada e pública, ser claramente excessivo em Portugal, “o Governo está a jogar à lotaria com o nosso futuro. A atuação do Governo na matéria da dívida, como noutras, é o reflexo de uma política imediatista, sem olhar às consequências para o futuro, sem visão para o país no longo prazo. Infelizmente, a relação dos Governos do PS com a dívida é como aquele filme em que o protagonista acorda todos os dias para reviver o mesmo dia exatamente da mesma maneira. O filme tem graça. O PS nem por isso. Com o PS os portugueses acordam todos os dias para ver o mesmo filme, de mais dívida, mais risco, menos prudência”.
Para comprovar a má governação socialista, a deputada elencou alguns dos resultados alcançados desde que este Governo que entrou em funções: “a dívida aumentou: em 2016 foram mais 8 mil milhões. O custo da dívida aumentou: em 2017 a taxa nas emissões de obrigações subiu mais de 50% face a 2015. É o equivalente para uma família que tem um pagamento de 1000 euros ao banco passar a pagar 1500 euros. Mais, cada emissão de dívida nova não só é mais cara, como tem maturidade mais curta. Isto quer dizer que os investidores, para nos emprestarem dinheiro durante menos tempo pedem juros cada vez mais elevados. O custo da dívida face aos outros países europeus também aumentou. A diferença da taxa de juro face à Alemanha é de 3,75 pontos percentuais em Portugal, quando na maioria dos outros países desceu. É o valor mais alto da Europa, de longe”.
Sublinhando que este é um problema nacional, a deputada questionou ao governo que confiança pensam transmitir às famílias, aos aforradores e aos investidores na hora de comprar a dívida portuguesa neste momento. “Quando o crescimento foi muito abaixo do esperado e pior do que no ano anterior? Que confiança? Quando a dívida sobe em vez de descer? Que confiança? Quando as reformas estruturais estarão paradas ou foram revertidas? Que confiança? Quando o saldo estrutural deixou de melhorar? Que confiança transmitem com esta conversa de reestruturação unilateral da dívida?”
Enquanto tudo isto acontece, remata Inês Domingos, “a geringonça está unida, desde o PS radical ao bloco, e ameaçam de uma forma totalmente irresponsável com a reestruturação da dívida, que é uma maneira suave de dizer que querem declarar ou entrar em incumprimento”.

23-03-2017 Partilhar Recomendar
20-09-2017
PSD apresenta propostas para reforçar a supervisão financeira e completar a União Bancária
    Maria Luís Albuquerque sublinhou a necessidade de alterações que conduzam à proteção dos contribuintes e a uma sustentada confiança no mercado e nas instituições.
19-07-2017
António Leitão Amaro acusa PS, PCP e BE de fazerem um perdão à banca de 630 milhões de euros
    O Vice-Presidente da bancada do PSD alertou que quem paga são os contribuintes.
07-07-2017
“Este é o governo da instabilidade fiscal sobre as famílias e sobre a economia”
    Jorge Paulo Oliveira acusou o governo de estar constantemente a alterar impostos e benefícios fiscais.
07-07-2017
Luís Montenegro desafiou o Ministro das Finanças a dizer onde cortou mil milhões de euros e quais as consequências
    O líder parlamentar do PSD enfatizou que a austeridade manhosa colocou os serviços públicos à míngua.
07-07-2017
Cativações do governo levaram o Estado a falhar nas suas funções essenciais
    António Leitão Amaro afirmou que, contrariamente ao que era dito pela propaganda da esquerda, em 2016 o governo cativou mil milhões de euros.
06-07-2017
“O ano de 2015 foi marcado pela continuação da recuperação da atividade económica”
    No debate da Conta Geral do Estado de 2015, Cristóvão Crespo lamentou que esta trajetória não se tenha mantido em 2016.
23-06-2017
Solução para lesados do BES: governo coloca portugueses contra portugueses
    Carlos Silva acusou a geringonça de estar a “ilibar vigaristas que venderam banha da cobra aos clientes bancários”.
12-06-2017
Governo atua fora da lei e desrespeita as instituições
    A acusação foi deixada por Duarte Pacheco no Plenário.
12-06-2017
António Leitão Amaro: “o Primeiro-Ministro faltou à verdade ao Parlamento”
    O deputado considera que a retirada de 3 territórios da lista negra de Offshores foi conduzida pelo governo de uma forma que “só levanta e agrava a suspeita”.
23-05-2017
Luís Montenegro acusa o Governo de viver “à custa da herança”
    O líder parlamentar do PSD frisou que o executivo tem de colocar Portugal a crescer pelo menos o dobro do que crescemos no ano passado.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas