Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Maioria carregará fardo de ter desperdiçado oportunidade histórica
No debate sobre o Estado da Nação, o líder do PSD acusou António Costa e a maioria de esquerda de estar a fazer o país andar para trás.
No primeiro debate sobre o Estado da Nação desta nova maioria, Pedro Passos Coelho começou por cumprimentar o Governo e o Primeiro-Ministro por, até hoje, ter tido uma maioria que se tem mostrado coesa e operativa. Sublinhando que as consequências dessa coesão serão mais tarde conhecidas, o líder do PSD prosseguiu a sua intervenção lembrando o ponto de partida deste Governo e lamentando que António Costa tenha procurado reinterpretar a história. Segundo Passos Coelho, no início desta legislatura o país estava confinante de ter encerrado um dos períodos mais difíceis e de ter invertido as tendências que originaram essa situação. “Conseguimos fazer uma correção das contas públicas, conseguimos recuperar economicamente a situação do país, tivemos lugar a alguma recuperação da poupança e lançou-se um conjunto de reformas estruturais importantes para que o país ganhasse competitividade e pudesse sustentar o crescimento para futuro. A situação comportava desequilíbrios e riscos importantes, sabemos que tínhamos e temos o desemprego demasiado elevado, temos níveis de dívida pública e privada significativos, o que significa que numa visão de médio e longo prazo os grandes objetivos deviam ser razoavelmente inquestionáveis. O país devia seguir uma via de desendividamento, devíamos aprofundar as reformas estruturais de maneira a ter uma economia ainda mais aberta e competitiva, precisávamos de atrair e dinamizar o investimento e intensificar o emprego, reforçar a poupança, prosseguir o saneamento financeiro e a consolidação das finanças públicas”.
Contudo, adianta o social-democrata, o Governo e esta maioria fixaram-se no curto prazo e na retórica da inversão da austeridade. “Prometeram um modelo de crescimento económico que era dinamizado pelo consumo e que permitiria um crescimento assente também no investimento público que geraria uma economia mais pujante e mais emprego. Hoje, olhamos para os resultados e sabemos que o desendividamento não chegou a acontecer, as reformas estruturais têm sido revertidas e outras com promessas de reversão, o investimento tem caído a pique e o emprego ou estagna ou destrói-se. Exacerbamos riscos orçamentais, adiamos despesas e aumentam os atrasados. Tudo ao contrário do que era estrategicamente importante para o país”. Face a este cenário, Pedro Passos Coelho é perentório a afirmar que o resultado é claro: “o país está a andar para trás”. “Não vale a pena estar com desculpas esfarrapadas, nem vale a pena estar a ensaiar a rescrição da história, os responsáveis desta maioria carregarão o fardo de terem desperdiçado a oportunidade histórica de recuperar de uma situação muito difícil”, concluiu.

07-07-2016 Partilhar Recomendar
Intervenção de Passos Coelho no debate sobre o Estado da Nação
12-07-2017
“O País precisa de liderança e de objetivos mobilizadores. Ficar à espera de melhores ventos e da sorte não chega”
    No debate sobre o Estado da Nação, Passos Coelho afirmou que “bastou uma série de eventos imprevistos” para o governo mostrar toda a sua insuficiência, desorientação e desarticulação”.
12-07-2017
Ministro da Saúde vive do trabalho do anterior governo
    Miguel Santos lembrou ao governante que os resultados anunciados são fruto das políticas implementadas pelo seu antecessor.
12-07-2017
Luís Montenegro: “o governo está a colapsar e não tem liderança”
    No debate sobre o Estado da Nação, o líder parlamentar do PSD frisou que “o governo chega a este debate num processo de degradação indisfarçável”.
07-07-2016
“O país está pior e a vida das pessoas não está melhor”
    Luís Montenegro considera que António Costa “syrizou-se” e alerta que governar não é “geringonçar”.
07-07-2016
“Há um ano discutíamos se a economia crescia mais ou menos uma décima, hoje discutimos a possibilidade de um novo resgate”
    A afirmação foi proferida por José Pedro Aguiar-Branco no debate do Estado da Nação.
08-07-2015
Adão Silva: “os portugueses esperavam mais do PS”
    O deputado afirmou esperar que nos próximos anos o PS aprenda a ser uma oposição de qualidade.
08-07-2015
“Com o PSD e o CDS a Nação teve estabilidade”
    No debate do Estado da Nação, Luís Montenegro enfatizou que esta maioria encara o futuro com muita confiança em Portugal e nos portugueses”.
08-07-2015
Portugal está agora melhor preparado para combater a pobreza e as desigualdades sociais
    Hugo Soares recordou que foram os socialistas a trazer a crise para Portugal.
08-07-2015
PS deixou uma dívida de 3,2 mil milhões de euros no SNS
    Miguel Santos recordou que na altura havia empresas que cortaram o fornecimento aos hospitais.
08-07-2015
“Os partidos da oposição falharam redondamente todas as suas profecias para Portugal”
    No debate o Estado da Nação, Luís Montenegro elencou as diferenças entre a realidade portuguesa de 2011 e de 2015.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas