Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Teresa Morais: “o país tem que adotar um verdadeiro plano estratégico de promoção da natalidade”
A deputada considera que o Governo deve dar prioridade a este tema.
No debate sobre “demografia, natalidade e família”, Teresa Morais começou por enfatizar que o PSD atribuí a maior importância a esta temática. Prova disso, adianta a deputada, foi debate nacional que lançou em 2014, ao solicitar a um conjunto independente de especialistas que estudasse o tema com a devida amplitude e apresentasse o resultado desse trabalho no prazo de três meses. Desse estudo, recorda surgiu o relatório da “Comissão para uma Política da Natalidade em Portugal”, designado “Por um Portugal amigo das crianças, das famílias e da natalidade (2015-2035) Remover os obstáculos à natalidade desejada”. “Com este relatório, em cujo sumário se pode ler “a causa é nobre, a ação é urgente!” o PSD fomentou um debate alargado, que contou com múltiplas oportunidades de discussão um pouco por todo o país, e que lançou as bases para uma estratégia nacional de combate ao problema demográfico que, sendo uma preocupação em toda a Europa, nos afeta com muita dureza”.
Conhecido o estudo, partiu-se para um debate parlamentar intenso assumido com especial empenho pelo PSD que, na verdade, não envolveu todos os partidos por igual apenas porque alguns (em particular o PS, preferiram então alhear-se do trabalho produzido, simplesmente não comparecendo, ou abstendo-se praticamente em todas as votações). “Desse trabalho parlamentar, em que se debateram 38 iniciativas e se vieram a aprovar 20, em abril de 2015, resultou um conjunto de alterações legislativas relevantes, como a aprovação da chamada meia jornada ou as alterações introduzidas nas licenças parentais, designadamente, o alargamento da licença obrigatória do pai, medidas recentemente entradas em aplicação e ainda não devidamente avaliadas. Ao mesmo tempo, o XIX Governo constitucional continuava um trabalho em diversas frentes absolutamente relevantes pelos efeitos que têm sobre a questão da natalidade. No combate ao desemprego, na promoção do crescimento económico e da criação de postos de trabalho, no alargamento da rede de creches, na promoção da igualdade entre homens e mulheres, designadamente, no mercado de trabalho. O tema teve desde logo tratamento numa Resolução do CM de 2013 e, entre 2012 e 2015, foi levado por três vezes à concertação social, com ênfase para a necessidade de medidas de facilitação da conciliação entre a vida profissional, pessoal e familiar. Foi, de resto, esta mesma preocupação que levou ao lançamento em outubro de 2013 de uma Campanha Nacional destinada a promover um maior equilíbrio na distribuição das tarefas domésticas e de cuidado, que continuando a recair de forma desequilibrada particularmente sobre as mulheres, naturalmente lhes retira disponibilidade para terem mais filhos”.
De seguida, a Vice-Presidente do PSD enfatizou que as causas da baixa natalidade são várias e complexas. “A condição financeira das famílias, as perspetivas de emprego que existam ou não, particularmente para os jovens, a confiança que têm ou não têm no desenvolvimento do país e no seu futuro, são determinantes para a decisão de iniciar ou ampliar uma família com filhos. Mas não restarão dúvidas a ninguém de que, tendo as mulheres o benefício, mas também a mais árdua função na maternidade, temos de ser capazes de conseguir aliviar o peso das múltiplas tarefas com que a maioria delas se vê sobrecarregada”.
Sublinhando que é necessário remover uma a uma as barreiras que impedem a concretização dessa vontade, Teresa Morais declarou que “isso só se conseguirá com uma estratégia nacional, que envolva órgãos de soberania, parceiros sociais organizações e empresas que têm de compreender melhor e assumir, a importância do respetivo seu papel”.
“O país tem de adotar um verdadeiro plano estratégico de promoção da natalidade, que deve caber, desde logo, e em primeira mão, a um governo, que esteja verdadeiramente interessado em assumir essa prioridade. Se o PSD estivesse a governar estaria neste momento a cumprir o seu programa, onde se previa um conjunto de políticas de resposta ao problema demográfico e da promoção da natalidade, em consonância com a premência que atribuímos a esta matéria. Estamos na oposição e nessa condição contribuiremos para este debate, agora e no futuro, com o desassombro de quem colocou o tema no centro do debate politico”, rematou a social-democrata.

05-05-2016 Partilhar Recomendar
18-01-2019
Número de crianças em regime de Acolhimento Residencial devia envergonhar o Estado Português
    Laura Magalhães lembrou que apenas cerca de 3% das crianças que estão em regime de colocação se encontram em Acolhimento Familiar.
19-12-2018
O Grupo Parlamentar do PSD deseja a todos umas Boas Festas
   
06-12-2018
Bloco não resiste a misturar PMA com gestação de substituição
    Emília Cerqueira lamentou a postura dos bloquistas, bem como a posição “cega” do CDS.
06-12-2018
PSD quer contribuir para resolver o impasse em torno da PMA
    Ângela Guerra frisou que o propósito dos sociais-democratas é o de contribuir para a resolução dos problemas de infertilidade ou esterilidade de milhares de casais.
26-11-2018
PSD apresenta medidas de apoio à natalidade e às famílias
    Clara Marques Mendes considerou que se tratam de propostas fundamentais para o futuro do país.
27-09-2018
“Não nos resignamos com um país que perde, década após década, centenas de milhares de habitantes”
    Margarida Balseiro Lopes considera um “desígnio nacional” a inversão desta situação.
27-09-2018
Susana Lamas: é da maior importância inverter o atual quadro demográfico
    A deputada considera que as respostas a este problema não podem continuar a ser adiadas.
27-09-2018
PSD defende a criação de uma Comissão Eventual para combater o declínio demográfico
    Clara Marques Mendes apresentou a iniciativa dos sociais-democratas e enfatizou que “uma política para a infância é um desígnio nacional”.
27-09-2018
“É inaceitável que ter filhos seja um fator de desigualdade e de desvantagem no tratamento que o Estado dá às famílias”
    A crítica foi deixada por Inês Domingos no debate sobre demografia.
27-06-2018
“O Governo parece esquecer a importância de criar condições para que os portugueses jovens não deixem o país”
    Nilza de Sena considera que é crucial inverter o quadro demográfico preocupante que faz de Portugal o 6º país mais velho do mundo.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas