Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Miguel Frasquilho acusa o Governo de fazer “uma marosca”
Deputado do PSD refere-se às alterações na forma de contabilização das contribuições dos funcionários públicos para a Caixa Geral de Aposentações

Miguel Frasquilho considera que a alteração metodológica na forma de contabilização das contribuições dos funcionários públicos para a Caixa Geral de Aposentações é “uma marosca”. Segundo o deputado do PSD “dir-se-á que à primeira foi um lapso – mas, ao reincidir, o Governo revela desonestidade intelectual e técnica – ou, como diz o povo, uma marosca, que nunca devia sequer passar pela cabeça de quem governa, que era suposto dar o exemplo”.

Durante a discussão na generalidade do Orçamento do Estado para 2010, Miguel Frasquilho declarou este “é o corolário de 5 anos de uma política económica em geral, e orçamental em particular, que foi errada, que empobreceu o País, minou a sua competitividade, contribuiu para um endividamento record, e acentuou as desigualdades sociais. Uma política, que segundo o deputado, “sempre mereceu fortes críticas da parte do PSD” e que apresenta uns “resultados catastróficos”. Exemplos desse fracasso são, segundo Miguel Frasquilho, “o crescimento económico reduzido; Portugal divergiu da média europeia, tornando-se mais pobre; o desemprego atingiu níveis record, arrastando consigo uma situação de verdadeira emergência social; o endividamento externo não parou de crescer”. “É este o resultado bem visível de cinco anos de governação socialista”, acrescentou.

Para o Vice-Presidente do Grupo Parlamentar do PSD não houve uma consolidação orçamental: “Tornou-se evidente que a consolidação orçamental estava por fazer e o défice disparou, atingindo 9.3% do PIB em 2009 – o maior défice em democracia”, e acrescentou que só “no ano passado, o Estado endividou-se ao impressionante ritmo de cerca de 1 milhão e 750 mil euros por hora”. O endividamento externo é mesmo, segundo o deputado, “o maior problema que o nosso país enfrenta”.

Segundo Miguel Frasquilho se o PSD fosse Governo “assentaria as suas opções numa política destinada a promover o investimento e as exportações e, sobretudo, no apoio às Pequenas e Médias Empresas”.

O social-democrata aguarda “com expectativa” a apresentação do Programa de Estabilidade e Crescimento , “que nunca antes como agora, terá um carácter tão decisivo para oferecer garantias e tranquilizar os observadores internacionais e os mercados, aliviando a pressão negativa dos holofotes que hoje incidem sobre Portugal”. E é precisamente porque o enquadramento externo que Portugal enfrenta é inegavelmente difícil que o PSD decidiu viabilizar o Orçamento para 2010.

11-02-2010 Partilhar Recomendar
03-11-2017
“No Orçamento para 2018 não há uma visão de futuro para o país”
    Para Maria Luís Albuquerque é de lamentar que “quem tem a responsabilidade de governar desperdice deliberadamente a oportunidade de assegurar um futuro mais sustentável”.
20-10-2017
Cativações colocaram em causa a qualidade dos serviços públicos
    Duarte Pacheco afirmou que até o PCP reconhece essa realidade.
20-09-2017
PSD apresenta propostas para reforçar a supervisão financeira e completar a União Bancária
    Maria Luís Albuquerque sublinhou a necessidade de alterações que conduzam à proteção dos contribuintes e a uma sustentada confiança no mercado e nas instituições.
19-07-2017
António Leitão Amaro acusa PS, PCP e BE de fazerem um perdão à banca de 630 milhões de euros
    O Vice-Presidente da bancada do PSD alertou que quem paga são os contribuintes.
07-07-2017
“Este é o governo da instabilidade fiscal sobre as famílias e sobre a economia”
    Jorge Paulo Oliveira acusou o governo de estar constantemente a alterar impostos e benefícios fiscais.
07-07-2017
Luís Montenegro desafiou o Ministro das Finanças a dizer onde cortou mil milhões de euros e quais as consequências
    O líder parlamentar do PSD enfatizou que a austeridade manhosa colocou os serviços públicos à míngua.
07-07-2017
Cativações do governo levaram o Estado a falhar nas suas funções essenciais
    António Leitão Amaro afirmou que, contrariamente ao que era dito pela propaganda da esquerda, em 2016 o governo cativou mil milhões de euros.
06-07-2017
“O ano de 2015 foi marcado pela continuação da recuperação da atividade económica”
    No debate da Conta Geral do Estado de 2015, Cristóvão Crespo lamentou que esta trajetória não se tenha mantido em 2016.
23-06-2017
Solução para lesados do BES: governo coloca portugueses contra portugueses
    Carlos Silva acusou a geringonça de estar a “ilibar vigaristas que venderam banha da cobra aos clientes bancários”.
12-06-2017
Governo atua fora da lei e desrespeita as instituições
    A acusação foi deixada por Duarte Pacheco no Plenário.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas