Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Fundo de compensação do trabalho “é um marco histórico na garantia dos direitos dos trabalhadores”
A garantia foi deixada por Adriano Rafael Moreira no Plenário.

“A estabilidade no emprego e a proteção no desemprego, assim como a flexibilidade na constituição e funcionamento da relação laboral, fazem parte do quadro de valores que consideramos imprescindíveis no mercado de trabalho. Para o Governo a legislação laboral não é um elemento estático, mero testemunho histórico do equilíbrio de forças existente nos momento da sua aprovação, mas bem pelo contrário. A legislação laboral é vista pelo Governo como um instrumento ao serviço da economia e do mercado de trabalho, devendo, enquanto tal, evoluir e procurar influenciar positivamente as relações laborais e o progresso do país”.

Foram estas as primeiras palavras de Adriano Rafael Moreira no debate da Proposta de Lei do Governo que estabelece os regimes jurídicos do fundo de compensação do trabalho e do fundo de garantia de compensação do trabalho.

Recorda o parlamentar que, face à realidade socioeconómica de 2011, o Governo fez contar no seu programa a necessidade de intervir com urgência no mercado de trabalho através da introdução de alterações no quadro normativo vigente. “Inscreveu o Governo no seu programa o objetivo de dotar o País duma «legislação laboral que fomente a economia e a criação de emprego, que diminua a precariedade laboral e que esteja concentrada na proteção do trabalhador». Para tal fim propôs-se o Governo «modernizar o mercado de trabalho e as relações laborais; dotar as empresas de instrumentos de resposta a situações de crise e condições para o aumento da produtividade e competitividade»”.

De seguida, o parlamentar lembrou que, na sequência das alterações legislativas já aprovadas na presente legislatura, pode hoje ler-se no Código do Trabalho que a compensação, calculada nos termos deste artigo, e a que o trabalhador tenha direito por cessação do contrato de trabalho “é paga pelo empregador, com exceção da parte que caiba ao fundo de compensação do trabalho ou a mecanismo equivalente, nos termos de legislação específica.” Podendo ainda ler-se que: “no caso de o fundo de compensação do trabalho ou o mecanismo equivalente não pagar a totalidade da compensação a que esteja obrigado, o empregador responde pelo respetivo pagamento e fica sub-rogado nos direitos do trabalhador em relação àquele em montante equivalente”.

“Na sequência destas medidas, os parceiros sociais reclamaram do Governo a criação de uma solução para o grave problema há muito identificado da inexistência de uma garantia de proteção dos direitos dos trabalhadores nos casos, que infelizmente começaram a ser milhares por ano, de empresas que encerravam em situação de total insolvência financeira e que não honravam os seus compromissos para com os seus colaboradores. O Fundo de Compensação do Trabalho surge assim como um instrumento financeiro de proteção dos trabalhadores nos casos em que cessando o contrato de trabalho a empresa não tem condições financeiras para assegurar o respetivo pagamento ao trabalhador. Com a entrada em vigor da presente proposta de Lei, prevista para 1 de Outubro do corrente ano, os trabalhadores que celebrem novos contratos de trabalho passam a ter a garantia do recebimento de pelo menos metade dos montantes a que tiverem direito a título de compensação pela cessação do contrato de trabalho. O recebimento de pelo menos 50% dos montantes a que tem direito deixa de ser uma incerteza dependente da situação económica da empresa à data da cessação do contrato de trabalho, para passar a ser uma certeza garantida pelos instrumentos financeiros criados pela presente proposta de lei”.

A terminar, Adriano Rafael Moreira frisou que “a inexistência de garantias de recebimento das compensações por cessação do contrato de trabalho assumiu dimensão de preocupação nacional quando durante a governação do anterior Governo do Partido Socialista, milhares de empresas começaram a falir anualmente deixando os seus trabalhadores no desemprego e sem receberem os montantes a que tinham direito como compensação pelo fim do vínculo contratual”. Assim, conclui o social-democrata, a presente proposta de Lei representa “um marco histórico na garantia dos direitos dos trabalhadores”.

28-06-2013 Partilhar Recomendar
15-03-2019
Esquerda governa para os eleitores e não para os portugueses
    Joana Barata Lopes lamentou que estes partidos governem sem pensar no futuro.
15-03-2019
Clara Marques Mendes coloca em evidência a hipocrisia do PCP
    A deputada lembra que os comunistas, apesar de verem as suas propostas chumbadas pelo PS, continuam a viabilizar os Orçamentos.
15-03-2019
Álvaro Batista: “com o governo das esquerdas 1 em cada 4 trabalhadores são precários”
    O social-democrata referiu-se à consciência pesada das esquerdas que prometeram reduzir a precariedade laboral e fizeram precisamente o contrário.
08-03-2019
PSD defende a criação de um Estatuto do Cuidador Informal
    A iniciativa dos sociais-democratas foi apresentada pela deputada Helga Correia.
08-03-2019
Cuidadores Informais querem respostas, não falsas ilusões
    Mercês Borges considera que falta vontade ao governo para dar resposta a este problema.
07-03-2019
Novo Banco: “queremos conhecer tudo em nome do interesse dos portugueses”
    Adão Silva exigiu explicações a António Costa sobre a “trapalhada” que se revelou a solução encontrada para o Novo Banco.
21-02-2019
Rui Cruz: “aquilo que foi dado aos portugueses, foi-lhes tirado por mais impostos, taxas, preços e tarifas”
    O deputado considera que “precisamos de um governo que seja capaz de induzir um crescimento económico robusto e continuado”.
21-02-2019
“Com o governo das esquerdas os trabalhadores precários aumentaram de forma explosiva”
    Álvaro Batista acusou a governação das esquerdas de ter falhado o objetivo de reduzir a precariedade.
13-02-2019
Portugal está a caminho de se tornar o quinto país mais pobre da União Europeia
    Joana Barata Lopes enfatizou que o combate à pobreza “é o único caminho que permitirá às pessoas a liberdade efetiva para construírem o seu plano de felicidade”.
13-02-2019
“Políticas públicas atuais têm falhado na redução da pobreza e das desigualdades sociais”
    Clara Marques Mendes frisou que precisamos de uma geração de políticas que promovam a economia, que enfrentem a demografia e que afrontem a pobreza e desigualdades sociais.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas