Grupo Parlamentar do Partido Social Democrata
Facebook Twitter YouTube Sapo Vídeos Flickr instagram
Home Agenda Actualidade Deputados Direcção Galeria Contactos RSS
Plenário/Audiências/Comunicação Social/Comissões
Notícias/Plenário/Comissões
Por nome/Por comissão/Por círculo
Presidente/Direcção
Vídeos/Fotografias
 
Deputados debateram Orçamento para o Ministério da Defesa
Os sociais-democratas questionaram José Pedro Aguiar-Branco sobre as medidas previstas no documento.

No âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2013, o Ministro da Defesa Nacional, José Pedro Aguiar-Branco, foi questionado pelos deputados do PSD das Comissões de Defesa Nacional e de Orçamento e Finanças.

Hélder Sousa Silva, o primeiro a intervir, começou por afirmar que este Orçamento, na opinião do Grupo Parlamentar do PSD corporiza uma resposta afirmativa do Governo ao momento crítico que o País atravessa. “Tal como nós, a maioria dos portugueses não gostaria de trilhar este caminho, mas julgo que não há nenhum português que não esteja sensibilizado para esta situação”, declarou.

Há um ano, recorda o deputado, já se discutiu um orçamento de grande contenção onde o Ministro foi acusado de promover a inoperacionalidade das forças armadas. Contudo, refere, das várias audições que tiveram, os sociais-democratas ficaram com a certeza que, ao invés do que o acusavam, o Governo quis garantir a adaptação das forças armadas, adaptando-as ao tempo que vivemos, aos riscos que o País enfrenta e aos recursos que o País pode disponibilizar.

“O Grupo Parlamentar do PSD sempre disse que se havia instituição em Portugal capaz de, numa hora crítica da nossa história, dar o exemplo essa instituição era a militar. Neste contexto restritivo as forças armadas voltaram a dar um inequívoco contributo para o reforço do clima de coesão, de estabilidade e de segurança através da demonstração da sua unidade e disciplina”, enfatizou.

De seguida, Hélder Sousa Silva questionou a Aguiar-Branco se considera que este Orçamento, de grande contenção, permite às forças armadas o cumprimento das funções que lhes estão atribuídas, qual o grau de envolvimento das estruturas das forças armadas na feitura desta proposta de Orçamento e anunciou que o PSD, por considerar que a especificidade dos deficientes das forças armadas deve ser mantida e assegurada, irá apresentar propostas com esse objetivo.

Seguiu-se a intervenção de Correia de Jesus, que começou por felicitar o Ministro pela clareza dos documentos apresentados e recordou que o Orçamento não é mais do que a expressão quantificada das Grandes Opções do Plano. O deputado quis saber se as mudanças de intenções dos Estados Unidos não colocam em causa a solidez da NATO e se não será este fenómeno de alteração estratégica dos Estados Unidos que explicará o desinteresse dos americanos pela Base das Lages. Sobre esta matéria, o social-democrata questionou, ainda, como é que decorrem as negociações no plano bilateral e qual o ponto de situação relativo à transferência da Escola de Comunicações e de Sistemas de Informação da NATO para Portugal.

A concluir, Correia de Jesus sublinhou o grande reconhecimento que as populações das Regiões Autónomas têm pelo meritório papel que as forças armadas portuguesas têm desempenhado nessas regiões e perguntou ao Ministro se o dispositivo de forças não deveria estar melhor distribuído por todo o território nacional.

Mónica Ferro centrou-se na cooperação técnico-militar e nas forças nacionais destacadas. A deputada referiu que para o PSD o empenhamento de Portugal na manutenção da Paz resulta do nosso compromisso com a Paz mundial e não com organizações pontuais e, nesse sentido, pediu esclarecimentos adicionais sobre as novas solicitações de cooperação técnico-militar constantes no Orçamento e uma previsão sobre uma possível integração de tropas portuguesas em futuras ações das Nações Unidas.

Depois de Mónia Ferro, foi a vez de Arménio Santos questionar José Pedro Aguiar-Branco. O parlamentar reconheceu que este Orçamento é elaborado num quadro de grande austeridade e rigor e, porque para o PSD a estabilidade e bem-estar dos profissionais das forças armadas é uma questão extremamente sensível, perguntou ao Ministro se considera que os direitos sociais e a qualidade de resposta da área da saúde estão salvaguardados com esta proposta de Orçamento.

A concluir as intervenções da bancada do PSD esteve Luís Vales. “Das palavras que escutamos ficou-nos uma perfectiva clara de que existe um rumo bem definido para o Ministério, que passa por racionalizar, gerir melhor os recursos e meios existentes e cumprir os objetivos de defesa nacional. O Grupo Parlamentar do PSD não pode deixar de reconhecer e enaltecer esta nova postura de responsabilidade e sentido de Estado, traduzida num Orçamento de rigor. Este esforço de contenção é ainda mais necessário na área da defesa devido ao grau de dificuldade económica e financeira que o País atravessa”. O deputado recordou os vários cortes feitos no Ministério, que permitiram poupar vários milhões de euros, o bom relacionamento entre o Governo e os elementos das forças armadas e a importância das reformas que vêm sendo feitas. O parlamentar realçou, ainda, o bom exemplo que encontra nas forças armadas na sua adaptação à nova realidade com a aplicação de programas de cortes na despesa.

05-11-2012 Partilhar Recomendar
Correia de Jesus questiona Ministro da Defesa Nacional
Mónica Ferro questiona Ministro da Defesa Nacional
Arménio Santos questiona Ministro da Defesa Nacional
Luís Vales questiona Ministro da Defesa Nacional
29-03-2018
Manuela Tender participou na Cerimónia do Dia da Unidade
    A deputada marcou presença numa cerimónia que contou ainda com o Juramento de Bandeira dos Soldados Recrutas do 1º Curso de Formação Geral Comum de Praças do Exército de 2018.
21-03-2018
Pedro Roque alerta para as complicações das Forças Armadas no combate às calamidades
    O social-democrata fala numa equação difícil de preencher: menos gente nas Forças Armadas e mais missões.
31-01-2018
Pedro Roque alerta para iniciativas que colocam em causa a segurança jurídica dos sistemas providenciais e a sua sustentabilidade financeira
    O deputado afirmou que muitas vezes a justiça, o reconhecimento e o mérito das iniciativas dos peticionários podem colidir com questões jurídicas e financeiras.
19-12-2017
Pedro Roque recorda que já houve três processos de reintegração de militares e ex-militares ao abrigo do Decreto de 1974
    O deputado referiu que, do ponto de vista no PSD, não faz sentido a abertura de um novo processo com esse propósito.
04-10-2017
Hugo Soares acusou António Costa de liderar o “governo da desresponsabilização”
    O líder parlamentar do PSD lastimou a forma como o Primeiro-Ministro se desresponsabiliza de todos os casos.
18-09-2017
Tancos: passados três meses avolumam-se as interrogações
    Costa Neves considerou que o que ocorreu é de uma gravidade extrema e exigiu respostas ao Ministro da Defesa.
18-09-2017
Sérgio Azevedo enfatiza que “o que e passou em Tancos é um assunto grave”
    O Vice-Presidente da bancada do PSD sublinhou que o alegado furto no Paiol de Tancos põe em causa a segurança do Estado e compromete Portugal no quadro internacional.
30-06-2017
Pedro Roque chefia missão de alto nível à sede da ONU
    O deputado, que preside à Assembleia Parlamentar do Mediterrâneo, participou ainda numa reunião especial do Conselho de Segurança da ONU.
19-06-2017
Sara Madruga da Costa reuniu com o Comandante da Zona Militar da Madeira
    No encontro foram abordados vários assuntos pendentes com a República.
09-05-2017
Defesa: Bruno Vitorino acusa o PCP de “dizer mal do passado para justificar o seu silêncio no presente”
    O deputado enumerou um conjunto de erros deste governo que foram cometidos com o “silêncio cúmplice” dos comunistas.
Seguinte Último
Galeria Vídeos
Galeria Fotos
Intranet GPPSD
Dossiers Temáticos
Canal Parlamento
Agenda
Newsletter
Submeta a sua Notícia
Links
Partido Social Democrata
Instituto Francisco Sá Carneiro
Grupo Europeu PSD
Juventude Social Democrata
Trabalhadores Social Democratas